O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, disse que a prioridade em seu mandato é o jovem. "Estamos trabalhando, primeiro, para evitar que outras pessoas cheguem nessa condição (de desempregado). Trabalhamos pesadamente com a juventude para inseri-la no mercado de trabalho", disse.

Uma prova dessa determinação seria o programa Consórcio Social da Juventude. Segundo o ministro, ele já ultrapassou a meta estabelecida pelo governo. De acordo com Marinho, a meta mínima é de que pelo menos 30% dos jovens que concluam o curso sejam inseridos no mercado de trabalho. Mas "não temos nenhum consórcio que concluiu seus trabalhos e inseriu menos do que 50%", afirmou.

A idéia do ministro é "ampliar a quantidade de consórcios que trabalham com o jovem de baixa renda e, especialmente, em conflito com a lei". Ele acrescentou que já existem consórcios funcionando "dentro de algumas favelas".

Os Consórcios fazem parte do Programa Nacional de Estímulo ao Primeiro Emprego (PNPE). Há quase dois anos em funcionamento, o programa atendeu 1,063 milhão de jovens, dos quais mais de 630 mil foram inseridos no mercado de trabalho formal. Ao todo, R$ 123,23 milhões foram investidos pelo governo federal. Os dados são do Ministério do Trabalho e Emprego. O programa é destinado a brasileiros de 16 a 24 anos, sem qualificação profissional, que vivem em situação de risco social.

Os 23 consórcios inaugurados desde 2003 ? em 15 estados e no Distrito Federal – qualificaram 39.835 jovens, de acordo com o ministério. Desse total, cerca de 12 mil foram inseridos no mercado de trabalho.

Ele concedeu, nesta quarta-feira, entrevista às emissoras de rádio da Radiobrás (Rádio Nacional AM de Brasília, Nacional AM do Rio de Janeiro e Rádio Nacional da Amazônia), transmitida ao vivo com a participação de jornalistas de dez emissoras parceiras.