São Paulo (AE) – A Fundação Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, contabilizou até agora nove queixas de torcedores que se sentiram prejudicados pelo cancelamento dos 11 jogos do Campeonato Brasileiro, todos apitados pelo ex-árbitro Edílson Pereira de Carvalho, réu confesso no escândalo da arbitragem.

Na semana passada, a entidade encaminhou uma carta à CBF exigindo informações sobre as medidas que serão tomadas , uma vez que o Procon, baseado no Estatuto do Torcedor e no Código de Defesa do Consumidor, entende que a responsabilidade pela venda do "produto com vício" é da CBF.

E na segunda-feira, o Procon se reunirá com representantes das torcidas organizadas para esclarecer os direitos e deveres do torcedores que queiram encaminhar processos individuais ou coletivos em casos de vício de qualidade.