Com  base  na  nova  pesquisa  de  preços de combustíveis realizada pelo Procon-PR,  no  último  dia  5,  mostrando que 39 dos 70 postos  pesquisados vendem  o  produto  a  um  mesmo valor, R$1,999, o que pode caracterizar um possível  cartel,  o coordenador Algaci Túlio decidiu encaminhar os dados à Agência  Nacional  de Petróleo (ANP) e ao Cade – Conselho Administrativo de Desenvolvimento Econômico – para análise detalhada. (Leia mais na edição de amanhã do jornal O Estado do Paraná)