A produção industrial do Paraná apresentou em julho um crescimento de 0,3% em relação ao mesmo mês do ano passado. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE, é o sétimo mês consecutivo de elevação. Para períodos mais abrangentes, os resultados acumulados também foram positivos: 4,7% no período janeiro-julho e 5,3% no acumulado dos últimos 12 meses.

O levantamento aponta que o aumento só não foi maior em julho porque a base de comparação (julho de 2003) foi elevada. Dos 14 ramos pesquisados no mês, os destaques ficaram com os setores de veículos (66,1%), que prossegue apresentando ritmo acelerado pelo quinto mês consecutivo; de alimentos (5,2%), com ênfase para a produção de carnes e miudezas de aves; e de produtos de madeira (19,3%), que refletem o bom desempenho da produção de painéis de madeira.

O efeito positivo destes três segmentos foi anulado, em parte, pelas quedas nas atividades de refino de petróleo e produção de álcool (-30,5%), em decorrência da queda na produção de óleo diesel; de outros produtos químicos (-35,5%), devido à redução na produção de adubos e fertilizantes, e de edição (-30,1%), pelo recuo da produção de livros, brochuras e impressos didáticos.

País

No indicador acumulado dos primeiros sete meses, os resultados positivos alcançam todos os Estados pesquisados. A liderança do desempenho regional ficou com o Amazonas, onde a expansão de 13,8% está influenciada, sobretudo, pela produção de eletroeletrônicos e telefones celulares, seguido por São Paulo, com 11,2%, tendo como principal influência a fabricação de automóveis e caminhões.

Com aumento superior aos 7,8% observados no total do país, ainda no comparativo dos sete meses do ano, situam-se Santa Catarina (9,9%), Bahia (9,1%) e Pará (8,9%). Nos demais locais, os resultados foram: Rio Grande do Sul (7,6%), Ceará (6,9%), Pernambuco (6,5%), Nordeste (6,0%), Goiás (5,7%), Espírito Santo (3,7%), Minas Gerais (3,3%) e Rio de Janeiro (0,2%).