A produção de milho 2005/2006 do Paraná deve atingir 10,85 milhões de toneladas, 27% a mais que a produção do ano passado, de 8,55 milhões de toneladas. A estimativa engloba a colheita da safra normal, já colhida, e a safrinha, com colheita em andamento, e mostra que o Estado está escapando dos efeitos da forte estiagem dos últimos meses.

A produção de milho safrinha aponta para uma elevação maior ainda em relação à safra normal. A previsão feita pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento prevê a produção de 3 milhões de toneladas, que corresponde a um acréscimo de praticamente 50% sobre o ano passado, quando foram colhidas 2 milhões de toneladas no mesmo período.

Na previsão de aumento na produção do milho safrinha já estão descontadas as perdas de 13% na produção do grão por causa da seca. A previsão inicial do Deral apontava para uma colheita de 3,46 milhões de toneladas. ?Na verdade, o aumento de produção é maior que as perdas?, disse o técnico responsável pela previsão de safras do órgão, Dirlei Antonio Manfio.

Dinheiro

Também na comercialização, o produtor paranaense começa a respirar. Em três meses, entre abril a junho, o aumento no preço do grão foi de 14%, motivado pelas exportações. No final do mês de março, a saca de milho estava cotada a R$ 10,95 e passou para R$ 12,45 no mês passado. No último mês de levantamento do Deral, a elevação no preço do milho foi de 6%, passando de R$ 11,69 a saca, em maio, para R$ 12,45 a saca, em junho.

Nesta safra 2005/2006, a produção de milho no Paraná está em recuperação tanto em área plantada como na produtividade. Os produtores iniciaram o plantio da safra de verão plantando 19% a mais do que o plantio realizado na safra anterior. Em 2005, foram plantados 1,28 milhões de hectares com milho, na safra normal, e este ano, 1,52 milhões de hectares. Desestimulados com os rendimentos nas cotações de soja e com a desvalorização cambial, os produtores decidiram aumentar a produção de milho.

Esse comportamento se repetiu no período da safrinha. Em 2005, os produtores plantaram 864 mil hectares e, este ano, 968 mil hectares, um acréscimo de 12%. Além disso, houve aumento na produtividade. A quebra do milho safrinha foi maior no ano passado e a produtividade alcançada foi de 113 sacas por hectare. Este ano, os produtores colhem, em média, cerca de 128 sacas por hectare.

Driblando a seca

Manfio admite que ainda pode haver perdas provocadas pela seca até à colheita total do milho safrinha. Mesmo assim, o clima não deverá mais abalar a liderança do grão na produção estadual. ?Aliás, é a recuperação na safra de milho que está colocando o Paraná novamente na liderança na produção de grãos do País?, disse o técnico.

Segundo ele, tradicionalmente o Paraná é responsável pela participação de 22% a 24% na produção nacional de grãos, o que lhe garante a liderança no setor. Entretanto, a seca ocorrida no ano passado foi mais severa no início do ciclo produtivo, afetando de forma significativa o resultado final. ?A estiagem deste ano está se acentuando mais no final do ciclo produtivo, o que diminui as perdas?, comparou.

Do total de 726 mil hectares ainda ocupados com milho safrinha, apenas 25%, que corresponde a 180 mil hectares, estão em frutificação, o que significa risco de perdas por causa da falta de chuvas. ?Mesmo assim, descartamos perdas totais nessa área?, destacou. O restante, pouco mais de 500 mil hectares já saiu da fase de risco. O milho safrinha plantado nessa área já está com o grão fechado, apenas aguardando a colheita.