Aproximadamente 400 professores da rede estadual de ensino que participaram do 2o Seminário Avançado sobre Biodiversidade, realizado pela Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, em Faxinal do Céu, assinaram um manifesto ? durante o encerramento do evento – pedindo que o Estado continue exercendo seu poder soberano no controle dos transgênicos e outros procedimentos que afetam a biodiversidade do Paraná. O documento será enviado ao governador Roberto Requião.

O Seminário faz parte das ações de Educação Ambiental do Projeto Paraná Biodiversidade. Esta é a 54o capacitação que os professores da rede pública de ensino participam nos quatro anos do Programa.

Para o secretário do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Rasca Rodrigues ? que compõe a comitiva paranaense na França ? a iniciativa dos professores demonstra que o Projeto Paraná Biodiversidade está alcançando seus objetivos. ?É por ações como estas que conseguimos garantir a prorrogação do Projeto por mais dois anos. A informação é algo muito precioso para se desenvolver a consciência ambiental. Quanto mais se conhece a biodiversidade, mais as pessoas se convencem da necessidade de protegê-la. Trabalhar com a multiplicação tem sido uma das principais preocupações da política ambiental neste governo?, declarou Rasca Rodrigues.

As capacitações promovidas pelo Projeto Paraná Biodiversidade mobilizaram 1.343 professores, 2.109 líderes locais, 400 estudantes universitários e 1.710 alunos do ensino fundamental das escolas públicas. O objetivo dos seminários é despertar a conscientização das comunidades quanto à importância da conservação da biodiversidade, tornando-a capaz de participar e contribuir no processo de recuperação e manutenção da qualidade dos ecossistemas.

A assessora de Educação Ambiental da Secretaria do Meio Ambiente, Rosa Riskalla, avaliou a atitude dos professores como uma aprovação ao princípio da precaução, defendido pelo governador Roberto Requião em relação aos Organismos Vivos Geneticamente Modificados (OGMs) e a favor da soberania da semente.

?Hoje sentimos que esse público já começa a tomar decisões. Isso é um exemplo claro de democracia e de uma democracia voltada à preservação ambiental. Esta iniciativa que veio do público nos encheu de orgulho?, comentou Rosa Maria Riskalla.