Cerca de 20 mil profissionais de educação da rede pública do país serão orientados para enfrentar o uso de drogas entre os estudantes. Professores, técnicos e diretores de escolas irão participar neste ano do curso de Prevenção ao Uso Indevido de Drogas, desenvolvido pelo Ministério da Educação em parceria com a Secretaria Nacional Antidrogas (Senad).

A coordenadora de Capacitação e Formação de Programas em Educação da Secretaria de Educação a Distância do MEC, Ângela Martins, diz que é importante tratar o tema para que a escola se torne mais um ponto de apoio para o combate e prevenção de drogas.

"O tema é exatamente para subsidiar a prática pedagógica do professor. O curso é justamente para o professor tomar conhecimento, saber o que é a droga e quais são seus efeitos, para ajudar o aluno a sair dessa situação de risco", explicou.

Segundo Ângela, todos os participantes do curso serão indicados pelas secretarias de Educação. Ela disse também que a idéia é que esses profissionais contribuam para formar uma rede de prevenção ao uso indevido de drogas, estimulando a participação dos próprios alunos e de membros da comunidade.

O programa, que começou a ser implantado em 2003, só no ano passado atendeu 5 mil professores de 5ª a 8ª séries. O curso é oferecido na modalidade de educação a distância. É oferecido material didático sobre o assunto e são transmitidos programas no canal TV Escola. No final do curso cada professor deve apresentar uma proposta de prevenção para sua escola.

Dados da Secretaria Nacional Antidrogas mostram que mais de 22% dos alunos da rede estadual de ensino consomem algum tipo de substância química e mais da metade deles aprensta atraso de pelo menos um ano em relação à série considerada ideal. Entre as drogas mais consumidas estão cigarro, solventes, energéticos, anfetaminas, maconha e álcool, o mais consumido.