A média das expectativas para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu pela 16ª semana seguida: de 5,26% para 5,23% em relação à pesquisa anterior. Com isso, se aproxima cada vez mais da meta oficial de 5,1% para a inflação do ano.

Isso é o que consta da pesquisa Focus, realizada pelo Banco Central na última sexta-feira com uma centena de instituições financeiras e analistas de mercado sobre a tendência dos principais indicadores da economia. Eles confirmam, mais uma vez, que todos os índices de inflação estão em baixa, no varejo e no atacado.

É o caso do IPCA do mês de agosto, que será anunciado amanhã pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cuja previsão caiu de 0,35%, no início do mês passado, para 0,16%, na semana anterior, e agora é de 0,15% – abaixo, portanto, do IPCA de julho, que foi de 0,25%.

A projeção de IPCA neste mês também é de queda, baixando de 0,35% na semana passada para 0,30%. Mas, apesar dessas reduções, os analistas de mercado mantiveram a estimativa de 4,89% para a inflação nos próximos 12 meses.

A pesquisa prevê leve redução este ano, de 6,80% para 6,75%, nos reajustes acumulados dos preços administrados (combustíveis, energia elétrica, telefonia, saúde, educação, água, esgoto, transporte público e outros), e mantém a previsão de 5% para o ano que vem.

O Índice de Preços ao Consumidor, medido pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (IPC-Fipe) da Universidade de São Paulo (USP) também cai de 4,81% para 4,68% na capital paulista. Mas as maiores quedas acontecem no atacado: o Índice Geral de Preços ? Disponibilidade Interna (IGP-DI) baixa de 2,54% para 2,36%, e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) cede de 2,66% para 2,17%.