A Câmara analisa o Projeto de Lei 7417/06, do deputado Marcondes Gadelha (PSB-PB), que prevê incentivos à produção nacional de programas de computador e garante a proteção dos direitos autorais do criador de softwares. Pelo projeto, órgãos ou entidades da administração pública federal deverão utilizar, preferencialmente, programas produzidos no Brasil. Nos casos em que for necessário criar o programa, a contratação de mão-de-obra brasileira também receberá incentivo.

O projeto dá prioridade às empresas brasileiras de software nos financiamentos concedidos por instituições federais para investimentos em ativo fixo e compra de programas de computador. Essas empresas poderão deduzir do Imposto de Renda despesas com pesquisa e desenvolvimento. Além disso, seus bens destinados ao ativo fixo terão depreciação acelerada (redução de seu valor), o que reduzirá o imposto pago.

Para receber os incentivos, as empresas precisarão se adequar à Lei de Incentivos Fiscais (8248/91) e investir mais de 5% do faturamento bruto no mercado local em pesquisa ou em programas governamentais de inclusão social. Do total investido, 2% deve ser aplicado em convênios com universidades, sendo que metade desse valor precisa beneficiar entidades sediadas nas regiões Norte, Nordeste ou Centro-Oeste. Os recursos aplicados em projetos de inclusão social deverão ocorrer apenas nessas regiões.

Segundo a proposta, as entidades da administração pública federal deverão adquirir softwares e hardwares separadamente, por meio de licitação do tipo técnica e preço.