São Paulo (AE) – Em depoimento à Polícia Federal, em São Paulo, a promotora de eventos Jeany Mary Corner negou conhecer o publicitário Marcos Valério de Souza, apontado como operador do ‘mensalão’. "Ela jamais o viu, jamais falou com ele" afirmou João Ramacciotti, advogado da mulher que admite, entretanto, ter organizado dois eventos (em 2003) pagos por Ricardo Machado, sócio de Marcos Valério na empresa Multiaction.

Jeany não quis falar com a imprensa na saída da PF, hoje (22), mas, pela primeira vez oficialmente, confirmou ao delegado Pratíxeles Praxedes ter promovido, em fevereiro deste ano, a convenção do deputado Virgílio Guimarães (PT-MG), então candidato à Presidência da Câmara. Garantiu que o pagamento foi feito pelo deputado, sem dinheiro de Marcos Valério.

Voltou a afirmar que, a pedido de Ricardo Machado, organizou duas festanças no fim de 2003, no Hotel Grand Bittar, em Brasília. Se havia integrantes do PT, não soube dizer. Ramacciotti explica: "Ela não ficava presente nas festas".

A PF investiga o ‘mensalão’ desde a abertura do processo pelo Supremo Tribunal Federal. Tais festas, supõe-se, serviriam para agradar os parlamentares da base do governo.