O Provopar Ação Social destinou cerca de R$ 12 mil para as obras de reforma do Hospital Hipólito e Amélia Alves Araújo, na Lapa, um dos mais tradicionais do Estado.

A verba liberada pelo Provopar foi usada para a pintura interna e externa do hospital, que recentemente passou por um processo de unificação com o Hospital Regional São Sebastião e, desde então, foi destinado a funcionar como Pronto Atendimento.

A Secretaria do Estado da Saúde gastou R$ 180 mil na reforma do Hospital Regional São Sebastião, recuperando a farmácia, o pronto-atendimento, o almoxarifado, o laboratório, a fachada, assim como as alas de pediatria e clínica médica. A capacidade de leitos do hospital foi ampliada em 45%.

Simultaneamente às reformas, a Secretaria da Saúde desenvolveu o Projeto de Humanização junto aos médicos e funcionários dos hospitais Regional e Hipólito e Amélia Alves de Araújo, com o objetivo principal de melhorar a qualidade no atendimento aos pacientes.

Recentemente, a presidente do Provopar, Lucia Arruda, visitou o Hospital Hipólito e Amélia Alves Araújo, onde foi recebida por seus diretores e corpo funcional, para verificar as obras de reformas, que compreenderam, além da pintura interna e externa, o conserto de uma caldeira com recursos da Secretaria do Estado da Saúde.

Para Clenice Favaro Carrano, presidente da Associação dos Amigos do Hospital Hipólito e Amélia Alves Araújo, a ajuda do Provopar chegou em boa hora, porque além dos recursos para a pintura a entidade liberou mercadorias apreendidas pela Receita Federal para serem vendidas num bazar da associação. ?Estamos levantando recursos para a compra de um novo raio-x para o hospital, porque o equipamento atual tem mais de 70 anos de uso?, disse.

Clenice revelou que o hospital foi fundado pelo casal Hipólito e Amélia Alves Araújo. Depois de trabalhar como embaixador do Brasil em vários países, Hipólito decidiu transformar em hospital a casa onde havia nascido e fez constar em ata registrada em cartório que este daria atendimento prioritário para as pessoas carentes. ?Até hoje, o hospital cumpre a missão que lhe foi confiada por seu fundador. E foi por isso que o Provopar decidiu dar sua parcela de contribuição para as obras de reforma do hospital, para que este continue atendendo as pessoas carentes da Lapa e região?, concluiu.