O dinheiro doado para o programa Fome Zero, nas faturas de energia elétrica da
Copel, está sendo aplicado pelo Provopar (Programa do Voluntariado Paranaense)
na implantação de cozinhas comunitárias para gerar renda em comunidades
carentes. As cozinhas estão sendo instaladas em regime de cooperativas
populares, ?caminho mais curto para integrar trabalhadores que estão fora ou
nunca estiveram dentro do mercado formal de trabalho?, segundo a presidente da
entidade, Lúcia Arruda.

As ações e projetos do Provopar foram o tema da
reunião do secretariado desta terça-feira (26). A reunião foi aberta com um
desfile de roupas feitas pelo artesão ?João do Lixo? com material reciclado.
Também foi apresentada uma peça de teatro sobre higiene bucal, o mais novo
projeto da instituição que será levado aos municípios em parceria com a
Secretaria da Saúde e Sanepar.

Os recursos do Provopar são oriundos de
venda de mercadorias apreendidas pela Receita Federal, placas novas do Detran,
inservíveis do Estado, recursos do Fome Zero da Copel, doações da iniciativa
privada e sociedade civil e doação de 50 toneladas de alimentos, por mês, pelo
grupo Sonae.

Lucia Arruda apresentou vídeos, dados e números dos
programas e projetos do Provopar em vários municípios paranaenses, com destaque
para o cooperativismo, que tem proporcionado a abertura de várias pequenas
empresas de confecções no interior do Estado, gerando renda e empregando
centenas de pessoas. ?Vamos mostrar que, com ações simples e poucos recursos, é
possível gerar emprego e renda?, disse