O PT do Acre prepara um carnaval fora de época para festejar a nomeação da senadora Marina Silva para o Ministério do Meio Ambiente. A festa será realizada dia 19, no Centro Velho de Rio Branco, um dia antes de o presidente Fernando Henrique Cardoso inaugurar o primeiro trecho da Saída para o Pacífico, em Assis Brasil (320 quilômetros de Rio Branco).

Mas não é só o PT que comemora. O presidente do PFL, Alércio Dias, ferrenho crítico do governo petista, disse que “o Acre ganha muito” com a decisão de Lula. “Foi uma indicação muito feliz do presidente”, disse Dias. Outro opositor, João Correia (PMDB), falou que o anúncio feito nos Estados Unidos, e não no Brasil, mostrou o valor da ex-seringueira. “Fico extremamente feliz porque do ponto de vista político, Marina Silva é, neste governo, a que minimamente cultiva a tolerância”, declarou Correia, lembrando dos problemas que ela deverá enfrentar no Ministério, como a polêmica dos transgênicos.

Lideranças de ONGs e organizações classistas ficaram eufóricos ao saber da oficialização através da internet. “Conhecedora da nossa causa, já que também militou em nossos movimentos, o trabalho das pequenas organizações será facilitado”, disse Gilson Albuquerque, presidente da União das Associações de Moradores de Rio Branco (Umarb), onde Marina já atuou.

Ligada ao PSDB, a superintendente regional do Ibama, Idelcleide Rodrigues, disse que Lula não poderia ter escolhido melhor nome que o de Marina para dirigir o setor ambiental brasileiro. Segundo ela, a senadora domina a questão e as políticas públicas serão fortalecidas.

“Com certeza, a Amazônia só tem a ganhar”, comentou Idelcleide. O presidente regional do PT, Sibá Machado, ocupará o lugar de Marina no Senado e vê a ascenção da ex-moradora do Seringal Bagaço como um exemplo de superação de dificuldades. E vibra: “O meio ambiente brasileiro agora será cartão postal para o mundo”.