Para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Carlos Velloso, passou da hora de adotar medidas de extremo rigor na fiscalização das campanhas e no exame da contabilidade dos gastos eleitorais apresentada pelos partidos, bem como na dura punição dos infratores.

O ministro está indignado com a extensão das evidências do funcionamento do caixa 2, comportamento criminoso disseminado na atuação da maioria dos partidos brasileiros. Velloso afirmou que vai sugerir aos demais componentes do TSE a adoção de medidas drásticas para eliminar o desvio ético que avilta a democracia.

Um dos aspectos salientados pelo ministro é a saída estratégica da renúncia dos mais contaminados pelo crime eleitoral. A legislação em vigor permite que eles se candidatem já na eleição seguinte, mas é definitiva a convicção que tal instrumento deve ser suprimido.

A expressão usada pelo ministro Carlos Velloso para definir os que agem dessa forma, evitando a perda dos direitos políticos pela cassação do mandato, é emblemática da disposição de cortar pela raiz: ?Temos que impedir esses caras-de-pau de voltar?.

Pena que a medida não tenha sido tomada antes, para banir de vez os notórios renunciantes do Congresso anterior.