O lucro líquido da Volkswagen caiu 49% no segundo trimestre deste ano e foi de 394 milhões de euros (US$ 453 milhões) contra 776 milhões de euros no mesmo período de 2002. As vendas no mundo também caíram 2,9%, para 22,1 bilhões de euros (US$ 25,4 bilhões).

A redução dos ganhos foi provocada pela queda nas vendas no Brasil, nos Estados Unidos e na Europa. Outro motivo é a valorização do euro perante o dólar. No momento da conversão, os ganhos obtidos em outros países cai, porque o euro está mais valorizado que as moedas estrangeiras.

Os resultados mostram a dificuldade das maiores montadoras do mundo. Praticamente todas anunciaram queda no lucro. São os casos da DaimlerChrysler, Ford, General Motors e PSA Peugeot Citroën, além do alerta feito pela Mitsubishi.

Todas estão sendo afetadas pela queda na demanda e pelo aumento dos incentivos para facilitar a compra de um novo automóvel.

A Volks, por exemplo, já havia reduzido suas previsões de ganhos para os próximos seis meses na semana passada.

A montadora citou ontem o exemplo da queda da produção do mercado brasileiro. Segundo a companhia informou, a capacidade de produção é de 740 mil veículos por ano, mas, no estágio atual, a produção chegaria a 473 mil unidades devido a queda da demanda no Brasil e no restante da América Latina.

Outro motivo para a redução do lucro é o aumento dos custos para lançar a nova versão do Golf neste ano. A cidade de Wolfsburg, onde fica a matriz da Volks, vai mudar de nome e será chamada de “Golfsburg” durante o lançamento do novo veículo.