O ministro da Coordenação Política, Aldo Rebelo, afirmou hoje, ao participar do 17º Fórum Nacional, que "decisão do Supremo Tribunal Federal é para ser cumprida e respeitada, e não para ser comentada". Rebelo referia-se à decisão do STF de abrir inquérito contra o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

Ele disse que a decisão do Supremo não pode ser avaliada como boa ou ruim para o governo. "Decisão do Supremo Tribunal Federal não pode ser analisada desse ponto-de-vista. Decisão do Supremo é decisão da instância mais alta do Judiciário do país, e a sociedade, o governo e os outros poderes apóiam e respeitam".

Aldo Rebelo não quis, do mesmo modo, entrar no mérito da afirmação feita pelo presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (PP-PE), de que Meirelles deveria ser afastado da presidência do Banco Central enquanto durasse a investigação. "O presidente da Câmara tem toda autoridade política para julgar e até para prejulgar as pessoas", disse o ministro, que também evitou dar sua opinião pessoal sobre a matéria.

"Eu não sou, naturalmente, o que pode julgar as responsabilidades e as funções do ministro presidente do Banco Central. O que eu sei é que a justiça, tomando a sua decisão final, cabe, então, analisar se há ou não culpa. Enquanto isso, naturalmente, não pode haver prejulgamento", afirmou.