A arrecadação de impostos e contribuições federais cobrados pela Receita Federal atingiu em setembro R$ 33,805 bilhões, valor recorde histórico para o mês. O resultado superou as estimativas dos analistas consultados pela Agência Estado, entre R$ 29 bilhões a R$ 32,5 bilhões.

De acordo com dados divulgados nesta quarta-feira (18) pela Receita Federal, a arrecadação de setembro apresentou um crescimento real (descontada a inflação medida pelo IPCA) de 17,10% sobre a de setembro do ano passado e de 10,20% na comparação com a de agosto deste ano. No acumulado dos nove primeiros meses do ano, a arrecadação federal totaliza R$ 286,634 bilhões, com expansão real de 4,60% em relação à do mesmo período do ano passado.

As receitas administradas pela Receita somaram em setembro R$ 32 291 bilhões, enquanto as demais receitas (taxas e contribuições controladas por outros órgãos) totalizaram R$ 1,514 bilhão. As receitas administradas tiveram crescimento real de 15,49% em relação às de setembro do ano passado, e as demais receitas, um aumento real de 66,57%.

Previdência

A receita previdenciária totalizou, no mês de setembro, R$ 11 222 bilhões – o que significou um crescimento real de 13,57% em relação a setembro de 2005. No acumulado do ano, a arrecadação previdenciária soma R$ 93,071 bilhões – um acréscimo real de 10 10% na comparação com igual período do ano passado. Em agosto, a arrecadação da Previdência havia totalizado R$ 10,897 bilhões.

Petróleo

A reavaliação de produtividade de alguns postos de petróleo levou, segundo dados da Receita Federal, ao pagamento extra de R$ 426 milhões de royalties relativos à extração de petróleo. Este montante contribuiu para o resultado recorde da arrecadação no mês de setembro.