Rio de Janeiro (AE) – Durante escavações para o rebaixamento do gramado do Maracanã, como parte da reforma do estádio para os jogos Pan-Americanos de 2007, engenheiros encontraram peças arqueológicas que podem ser do século 19. Pedaços de louça, ferraduras, ferramentas e ossos de animais, que estavam sob o campo, podem revelar parte da história do estádio. Os primeiros objetos foram encontrados há 20 dias pelo topógrafo Ronaldo de Oliveira e Souza, de 36 anos, um dos responsáveis pela obra. "É um troféu enterrado sob os pés de nossos craques. O que chamou a atenção é que o Maracanã, que foi palco de final de Copa do Mundo, shows e até da visita do papa, tinha isso tudo sob o gramado", disse Souza. Ele informou ter coletado um martelo, uma foice, uma enxada, seis ferraduras, louças coloridas e ossos de animais.

As peças foram recolhidas por técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), onde serão analisadas. "Encontrá-las aqui é uma novidade. Pela primeira análise, parecem ser do século 19", disse a arqueóloga Rosana Pinhel Mendes Najjar.

Em março de 1885, onde hoje fica o Maracanã, foi inaugurado o "Derby Club", para corridas de cavalo. O hipódromo funcionou no local por 47 anos. Depois disso, a área foi usada para abrigar carros de combate das Forças Armadas durante a Segunda Guerra (1939-1945). "Os militares saíram daqui para o estádio ser construído, em 1948", contou Fernando Pedroza, diretor de engenharia da Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (Suderj).

Segundo ele, o estádio passa por reformas desde 1999, mas a obra do rebaixamento do campo começou em junho deste ano. O objetivo é prolongar a área conhecida como geral, onde os torcedores assistiam às partidas em pé, e instalar cadeiras. Para isso, todos os sistemas de drenagem, irrigação e fiação elétricas do gramado tiveram de ser trocados. O projeto, que envolve uma área de 10 mil metros quadrados, está em sua fase final.