Só este ano, já são 21 casos da doença, trasmitida saliva de ratos silvestres, registrados no Estado.

A Secretaria estadual da Saúde alerta que só nesta semana foram confirmados quatro casos de hantavirose no Paraná, sendo dois em Inácio Martins e dois em União da Vitória. Com isto, já totalizam 21 casos registrados este ano no Estado. Deste total, oito provocaram a morte do doente. A região mais atingida é a região centro-sul. Os municípios atingidos foram Guarapuava, Inácio Martins, Rio Azul, Coronel Domingos Soares, Cantagalo, União da Vitória, Porto Vitória, Mallet, Palotina, Pinhão e Cascavel.

O diretor de Vigilância em Saúde e Pesquisa, Luiz Armando Erthal, solicita que a população informe a Secretaria de Saúde de seu município sobre invasão de ratos para obter orientações seguras sobre as medidas preventivas.

Este ano, a população rural, principalmente da região centro sul (Região de União da Vitória, Guarapuava, Irati e Pato Branco) e oeste (Cascavel), deve ficar mais alerta pois o Estado está passando por um fenômeno natural chamado de seca da taquara o qual propicia a ?ratada?, isto é, um aumento fora do normal da população dos roedores silvestres.

A chefe da divisão de Zoonoses e Animais Peçonhentos da Secretaria, Gisélia Rubio, explicou que o alimento natural que são as sementes da taquara acabou, os ratos do mato estão devorando plantações desde pequenas hortas até grandes propriedades. Existindo relatos inclusive de ataques a pequenos animais como cães, ovelhas e gansos.

?Existem informações sobre grande mortandade de ratos do mato nas regiões dos alagados (represas de água). Mas, é importante lembrar que os peixes, assim como os cães, gatos e galinhas que comem os ratos, não transmitem a hantavirose?, afirmou Gisélia.

A doença

A Hantavirose é uma zoonose transmitida ao homem por meio da inalação de poeiras com fezes, urina e saliva de ratos silvestres contaminados. É uma doença predominantemente rural até o momento no Estado do Paraná. Atualmente no Brasil foram confirmados 614 casos desde 1993, com 257 óbitos (42% de letalidade ). Cabe à Região Sul o maior número de casos (268 ). No Paraná, desde 1992 foram confirmados até a presente data, 132 casos com 54 óbitos (41% de letalidade ).

Os sintomas iniciais são semelhantes a uma gripe como febre, dor de cabeça, dores pelo corpo, tosse seca e intensa falta de ar. Também podem ocorrer náuseas, vômitos e diarréia.

Entre as pessoas com maior risco para adquirir a hantavirose, estão os agricultores, pescadores, trabalhadores de áreas de reflorestamento, quem vive ou trabalha no campo, quem varre locais fechados (como galpões, paióis, armazéns, casas rurais). ?Não se pode esquecer que as pessoas das áreas urbanas que forem à área rural também correm risco se exercerem estas atividades, estando exposto ao risco?, diz ainda.