As despesas totais do Brasil no exterior atingiram US$ 2,257 bilhões no mês de junho, contra US$ 1,499 no mesmo mês do ano passado. No semestre, as despesas somam US$ 11,063 bilhões, com aumento de 41,09% sobre os US$ 7,841 bilhões gastos no primeiro semestre de 2004 com viagens, transportes, seguros, computação e informações, aluguel de equipamentos, patentes e licenças, entre outros.

Apesar disso, o superávit (saldo positivo) de US$ 4,041 bilhões na balança comercial (exportações menos importações) permitiu ao país fechar o balanço de pagamentos com superávit de US$ 431 milhões, depois de pagar US$ 1,7 bilhão de parcela de empréstimo ao Fundo Monetário Internacional (FMI) e de descontar o déficit (saldo negativo) de US$ 1,873 bilhão da conta financeira.

Isso foi compensado, em parte, pela captação de US$ 1,1 bilhão em bônus da República, no mês passado, e pelo saldo de US$ 1,252 bilhão nas transações correntes com o exterior, conforme afirmou hoje (25) o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, ao divulgar o relatório mensal do setor externo, referente ao mês passado.

Segundo ele, a conta de serviços teve saída líquida de US$ 1,017 bilhão em junho, com destaque para os gastos de US$ 199 milhões com transportes (no mesmo patamar de junho de 2004) e de US$ 194 milhões com viagens internacionais, bem acima dos US$ 7 milhões no mesmo mês do ano passado, como reflexo da redução da taxa de câmbio.

Altamir destacou ainda os gastos de US$ 55 milhões com seguros (contra US$ 17 milhões em igual mês do ano passado), US$ 145 milhões em computação e informações, que aumentaram 41,1%, US$ 98 milhões com pagamentos líquidos de patentes e licenças (mais 29%), US$ 400 milhões em aluguel de equipamentos (expansão de 49,2%), serviços governamentais aumentaram de US$ 2 milhões para US$ 83 milhões e os custos financeiros cresceram de US$ 9 milhões para US$ 30 milhões.

De acordo com Altamir, as remessas líquidas de renda para o exterior somaram US$ 2,1 bilhões, com aumento de 33,1% na comparação com o mesmo período de 2004. Em contrapartida, os investimentos estrangeiros diretos registraram US$ 1,328 bilhão em junho e já cumula US$ 8,566 bilhões no ano.