Diante das críticas do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Edson Vidigal, ao trabalho dos parlamentares nas comissões parlamentares de inquérito em curso no país, o presidente do Senado Federal, Renan Calheiros, afirmou que, no Brasil, se investiga mal e "em favor da impunidade".

Isso ocorre, segundo ele, porque no início das investigações não há o trabalho conjunto do Ministério Público, da polícia e do juizado. Renan participou hoje da abertura do seminário Propostas para um Novo Modelo de Persecução Criminal ? Combate à Impunidade, no STJ.

O ministro Edson Vidigal disse que as investigações são refeitas, em geral, por órgãos como o Ministério Público e defendeu que os partidos políticos busquem, para compor os seus quadros, pessoas mais experientes no exercício do Direito.

Renan afirmou que tem dado força para que os parlamentares investiguem "eliminando" etapas. "Tenho feito esforço para que não haja superposição, redundância, repetição da própria investigação. Fiz reunião com presidentes e relatores das comissões parlamentares de inquérito para concretizar isso", disse.

O presidente do Senado Federal defendeu, no entanto, que a investigação política só deve ocorrer quando não está sendo investigada pelo órgão competente. "A CPI é uma investigação política", pontuou. O seminário sobre Combate à Impunidade segue até esta terça-feira.