O governador Roberto Requião vai inaugurar na sexta-feira (dia 30) a Usina Santa Clara, hidrelétrica de 120 megawatts de potência construída pela Copel no rio Jordão, entre os municípios de Pinhão e Candói, região central do Estado, nas cercanias de Guarapuava.

Santa Clara integra um complexo energético que é complementado pela Usina Fundão, de 120 megawatts também, e mais duas pequenas centrais hidrelétricas incorporadas às barragens que adicionam 5,9 megawatts ao conjunto. A previsão para início de operação de Fundão é o segundo semestre do próximo ano.

A concessão dos aproveitamentos pertence à Elejor ? Centrais Elétricas do Rio Jordão, empresa controlada pelo Governo do Paraná por meio da Copel, que detém 70% das ações. O investimento total previsto para as obras de Santa Clara e Fundão é de R$ 480 milhões, incluindo a implantação e desenvolvimento dos 33 projetos ambientais e sociais recomendados pelo Rima do empreendimento.

Estratégica

A central já está operando comercialmente e toda a sua produção, suficiente para suprir o consumo de uma cidade com 300 mil habitantes, é injetada no sistema elétrico da Copel para atender diretamente o mercado paranaense. ?Essa é a grande motivação estratégica desse empreendimento, o último a ter sua energia integralmente direcionada para uso da população paranaense?, informa o presidente da Copel, Rubens Ghilardi.

Ele explica que, pelas recentes regras fixadas para o setor, toda a produção das novas usinas autorizadas pela Aneel terá de ser comercializada via leilão, num ambiente centralizado de compra e também de venda. ?O contrato de venda de energia entre Elejor e Copel é anterior a essa mudança?, observa.