O Partido dos Trabalhadores continua buscando formas de reduzir suas despesas para reequilibrar sua estrutura financeira. Amanhã, o Comitê de Finanças da legenda deve ser reunir, por volta das 15 horas, para prosseguir com o plano de contenção de gastos, anunciado recentemente pela nova direção.

De acordo com o secretário de Organização do PT, Gleber Naime, a expectativa é de que o encontro resulte na aprovação de novas reduções de gastos e na sugestão de outras medidas capazes de garantir o equilíbrio no dia-a-dia do PT.

Segundo ele, o partido já começou a discutir cortes de pessoal e remuneração de dirigentes como parte desta estratégia. "Evidentemente, haverá cortes de dirigentes remunerados, haverá cortes de pessoal, haverá cortes de despesas de sede, vendas de carros . Tudo o que puder cortar de despesa, o partido vai cortar."

Naime confirmou que o PT já iniciou parte da venda da frota de veículos utilizada no transporte de dirigentes petistas. Além disso, a legenda já iniciou a negociação para rescindir o contrato de sua sede em Brasília, que será reduzida para uma estrutura menor.

O secretário disse ainda que o PT já decidiu como serão reduzidos os salários de seus dirigentes, conforme já havia sido antecipado pelo novo tesoureiro, José Pimentel. Segundo Naime, os detalhes dessa mudança poderão ser anunciados em breve pelo tesoureiro.

Além do encontro para debater o corte de despesas, o PT passará nesta semana por uma série de reuniões para tratar de assuntos referentes à atual crise política e à crise interna enfrentada pelo partido. Amanhã, às 16 horas, logo após o encontro do Comitê de Finanças, haverá reunião da Executiva Nacional da legenda. No sábado, será a vez de um encontro do Diretório Nacional, enquanto, no domingo, reúnem-se os membros da Comissão de Ética para tratar o caso do ex-tesoureiro Delúbio Soares.