O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, deu uma entrevista coletiva explicando estar deixando o cargo por considerar sua missão cumprida. Rodrigues leu nove pontos do seu discurso de posse que, segundo ele, eram os seus objetivos à frente do ministério. Entre eles estão a intensificação da relação do ministério com setores de classe, a promoção comercial dos produtos agrícolas, o melhoramento do mecanismo de estocagem de produtos, a certificação para a rastreabilidade e a recomposição dos estoques públicos, além da legislação sobre seguro rural.

Além desses pontos, Rodrigues disse que fazia parte de sua filosofia ao assumir o ministério dar à agricultura uma participação mais efetiva nas negociações internacionais. "O que é relevante e que eu quero mostrar para vocês é que o meu discurso de posse foi inteiramente atendido", disse o ministro. Rodrigues afirmou que comunicou ao presidente Lula ontem à noite os motivos de seu desligamento do governo.

Segundo Rodrigues, "não existe componente político" na sua saída do governo. Ele lembrou não ter ligação partidária e desmentiu, dessa forma, rumores de que sua demissão poderia ter motivos eleitorais. Ele também negou que sua saída tenha sido motivada por problemas de saúde em sua família. "O problema de saúde que existe na minha família é muito mais velho do que a minha presença no ministério. Eu vim para cá com ele", disse o ministro. Os comentários são de que Rodrigues teria pedido demissão porque o estado de saúde de sua mulher, Heloísa, teria se agravado.

O ministro também contou que, no jantar de ontem com o presidente Lula, ficou acertado um novo encontro para sexta-feira, quando seria discutida sua saída do governo. No entanto, disse o ministro, a notícia de que sairia do cargo acabou sendo ventilada pela imprensa. "Esse vazamento acabou me desarmando, pois sequer a minha equipe sabia", disse Rodrigues.

O ministro lembrou que nos últimos dois anos a agricultura passou por momentos difíceis, mas afirmou ter tido apoio de outros ministérios para "equacionar a crise". "O pacote é importante, mas não resolve o problema do setor. Fizemos o que era possível.

Rodrigues afirmou que o Plano de Safra anunciado recentemente foi positivo. Segundo ele, o governo conseguiu reduzir o custo dos financiamentos, oferecendo empréstimos com taxa de juro mais baixa. "Os últimos dois anos foram duríssimos, de muito desgaste para o setor rural.