O atacante Romário declarou hoje que existe a possibilidade de ingressar na política. Ele já filiou-se ao Partido Progressista (PP), mesma sigla do presidente do Vasco, Eurico Miranda. Prestes a completar 40 anos, o artilheiro pode concorrer nas eleições, em outubro, para deputado federal. Sua intenção é a de angariar recursos para ajudar crianças carentes e com síndrome de Down.

Em 2005, Romário teve uma filha portadora da doença, a menina Yvi. Para o craque, ela mudou sua vida. "Me falaram que tendo contato lá em cima, as coisas facilitam. Não tenho vocação para política, mas vou tentar", disse, em entrevista coletiva concedida hoje, em São Januário.

A candidatura do atacante do Vasco ainda depende da aprovação na convenção do PP, marcada para junho. Ex-deputado federal, Eurico Miranda foi quem convenceu o craque a tentar a carreira política. Derrotado nas urnas em 2002, o dirigente cruzmaltino deve concorrer novamente ao cargo neste ano.

A 51 gols de fazer o milésimo, Romário revelou hoje o desejo de atingir a marca histórica no Maracanã, seu palco preferido. "Só um fez isso", afirmou, referindo-se a Pelé. Polêmico, o craque voltou a dizer que não surgiu nenhum jogador de futebol melhor do que ele, no Brasil, desde o tempo do "atleta do século".

Romário ainda não definiu quando encerrará a carreira. "Desde os 28 anos, falo que vou parar e isso nunca acontece". E certamente ele não sairá de cena por questões técnicas. "Atualmente, o pessoal corre muito, mas pensa pouco. Estou há dois anos na frente deles", disse, arrancando gargalhadas na sala de imprensa em São Januário. "O nível é fraco. Há dez anos, só entro em campo para fazer gols. Vivo disso".