O advogado e professor de Direito Penal, Ronaldo Antônio Botelho, recebeu na última quinta-feira, dia 30 de julho, o Título de Cidadão Honorário de Curitiba, da Câmara Municipal da capital. Além de vereadores, representantes do Ministério Público do Paraná, do Tribunal de Justiça, da Secretaria da Justiça e personalidades ligadas à política e à área de direto no Estado participaram da cerimônia de homenagem, que aconteceu na residência do advogado.

A esposa Salete, filhos e netos do advogado criminalista Botelho.

“Eu sou quem deveria fazer homenagens para a cidade, que esteve comigo em todas as minhas lutas e conquistas”, disse o advogado. Nascido em Três Lagoas (MS), Botelho chegou em Curitiba em 1960, quando, segundo ele, se apaixonou pela cidade.
A homenagem a Botelho foi uma iniciativa do vereador Paulo Frote (PSDB), que ressalta a importância do advogado para a cidade e para o Estado. “Curitiba estava em débito com o doutor Botelho e já deveria ter outorgado este título há muito tempo”, disse.

O procurador geral da Justiça do MP-PR, Olympio de Sá Sotto Maior Neto, fez questão de salientar que Botelho desempenhou um papel significativo na construção do MP-PR como instituição que exerce uma parcela na soberania do Estado em favor da sociedade. “Isso não se deu por acaso. Este status do Ministério Público foi forjada com a dedicação e a competência de membros como o Ronaldo Botelho”, disse.

O vereador Paulo Frote e o procurador
Olympio de Sá Sotto Maior Neto.

Formado em direito pela Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), Botelho fez carreira no Ministério Público do Paraná, onde atuou de 1966 a 1992. Ele também presidiu o Diretório Acadêmico 2 de Junho (hoje Diretório Acadêmico Sobral Pinto – PUCPR) e a União Paranaense dos Estudantes (UPE), em 1963.

Foi diretor-geral da Casa Civil no governo Jaime Canet Júnior, chefe da Casa Civil e Secretário de Estado da Justiça e da Cidadania, no governo Mário Pereira. Lecionou na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e na Escola de Magistratura do Paraná. Foi membro titular do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP), é do Conselho Penitenciário do Estado e da Associação Brasileira de Professores de Ciências Penais (ABPCP).

A outorga do título de Cidadão Honorário foi realizada na residência.

Desde 1993, Botelho é consultor e colaborador deste Direito e Justiça, responsável pela coluna Decisões em Destaque e pela seleção de jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal. “Há 16 anos manifestei a minha preocupação que os juristas do Paraná não tinham espaço para expor suas idéias seus artigos e começamos com duas colunas”, conta. Hoje, Botelho considera o caderno Direito e Justiça um espaço já consagrado aos domingos. “Isso é um marco do jornalismo do Paraná. É o melhor caderno especializado que a imprensa publica com autonomia”, afirma.

Ronaldo Botelho é casado com Salete Mafra Botelho e têm os filhos Ronaldo Botelho Júnior, Rosana Mara Botelho, Rogério Oscar Botelho, Renata Luiza Botelho e Maria José Botelho além de 6 netos.