A ampla extensão geográfica e a diversidade sociocultural brasileira geram diferentes panoramas educacionais, mas em todos os cantos deste País, há um consenso único sobre as dificuldades de aprendizagem apresentadas pelas crianças e jovens brasileiros na capacidade de ler e compreender, assim como pela necessidade premente, de aperfeiçoamento pedagógico, dos educadores para enfrentarem os novos desafios impostos pela constante evolução e mudanças da sociedade globalizada.

Foi a partir dessa realidade que a Espaços & Idéias Assessoria Educacional Ltda. criou um projeto educativo que propõe ações inovadoras para desenvolver a leitura no espaço escolar e na comunidade. Temos certeza absoluta de que a formação do leitor só será efetivada se todos os segmentos da sociedade assumirem o seu papel de agentes educativos e trabalharem juntos. Esta ação educativa vai desde a utilização de livros paradidáticos, que contemplam tanto aspectos do conteúdo escolar, quanto aqueles intimamente ligados aos Temas Transversais PCN, a literatura infanto-juvenil clássica e contemporânea, até ao uso de textos de diferentes tipologias presentes em jornais, revistas e televisão que fazem parte do cotidiano das pessoas.

As salas de leitura são um excelente recurso didático e metodológico para enriquecer a vida, cultivar o imaginário, aproximar os alunos do mundo da escrita, estabelecer a relação entre professores, alunos, família e o mundo e, sobretudo, fazer a leitura desse mundo. É por meio da leitura que se constrói o diálogo e a troca de idéias, aprendizado necessário para a construção da identidade cidadã e da coesão social.

Estes espaços funcionam como estímulos culturais ao educador, ao estudante e à família, além de ser uma grande possibilidade para mudar o panorama da Educação no Brasil apresentado pelos resultados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb, Enem, Pisa), como também pelo relatório completo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) que informa sobre a colocação do Brasil no ranking de desenvolvimento humano da ONU – caiu da 65.ª para 72.ª colocação, indicando o aumento do número de brasileiros que não sabem ler.

Para a efetivação dessa proposta, propomos dois grandes momentos, os quais são indissociáveis. O primeiro está no incremento do incentivo à leitura que se dá pela formação do professor leitor, fundamental para a implementação desse projeto.

É preciso que o educador reconheça a leitura como um direito da humanidade, isto é, ler para se informar, ler para entender o mundo, ler para se entender, ler para se emocionar, ler para se divertir, ler para se tornar mais humano e ainda, que compreenda a competência leitora como uma competência profissional, a qual precisa ser permanentemente desenvolvida.

Já o segundo momento refere-se ao uso, pelo professor, estudantes e família de fontes de leitura diversas, não se limitando apenas aos livros, mas a jornais, revistas, cinema, teatro, músicas, televisão, internet, outdoors, panfletos, bulas, manuais, etc. O uso desses recursos é potencializado quando mediados pelo professor que faz uso de metodologias específicas e adequadas a cada um dos assuntos abordados e adequados às diferentes faixas etárias, que ampliam a capacidade de compreensão e interpretação de textos, bem como a de associação de diferentes idéias, levando-os a entender que a leitura é algo simples e complexo, prazeroso e instigante, essencial para o desenvolvimento intelectual, humano e espiritual.