O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Curitiba
recebeu 55 mil solicitações no período de 9 de agosto de 2004 a 31 de março de
2005. Os pedidos de atendimento incluem também ligações feitas pelo 192 de
moradores de São José dos Pinhais (12%) e de outros municípios mais próximos da
capital e que não estão integrados ao SAMU, como Colombo e Almirante Tamandaré
(5%).

 

Das 55 mil solicitações, 83% foram de moradores de Curitiba
(45.631 ligações). A maioria dos atendimentos, 89,2% – 40.687 ligações – foi
feita no próprio local do chamado.

 

Parte delas foi solucionada apenas com orientações dos médicos.
No restante dos chamados, 4.944 (10,8%), os usuários precisaram ser levados a
hospitais ou outros serviços de saúde. Somando as solicitações dos outros
municípios, no total foram atendidos no local 49.176 pessoas. Outras 5.828
precisaram ser transportadas.

 

Em 50% dos atendimentos primários feitos no local, 24.580
pessoas precisaram realmente de assistência médica. A outra metade resolveu seu
problema com orientação dos profissionais de saúde. No geral, foram campeões de
atendimentos os casos clínicos, com 37.479 ligações, e traumas, com 11.697
pedidos. Dos casos clínicos, a maioria estava relacionada a problemas
cardiológicos e respiratórios.

 

Embora os problemas de ordem clínica tenham sido maiores, os
casos de traumas tiveram maior resolução no próprio local – 86,3% (10.098
pessoas), enquanto nos clínicos, 38,6% (14.482 usuários) precisaram de algum
tipo de procedimento médico. "Os demais foram orientados por médicos e
enfermeiros e tiveram os problemas solucionados", explica o diretor do SAMU de
Curitiba, Matheus Chomatas.

 

Lançado em junho de 2004, o SAMU de Curitiba funciona 24 horas
por dia, com 11 ambulâncias. São 188 profissionais atuando – 30 médicos na
Central de Regulação, 50 médicos nas ambulâncias dotadas de UTI móvel, 78
auxiliares de enfermagem, 30 enfermeiros, 12 rádio-operadores e 72 motoristas.
Os chamados, tanto do SAMU como do SIATE, podem ser feitos pelo telefone 192