O Santos defende nesta noite nada menos do que o feito de ser a melhor equipe de toda a Copa Libertadores. Com 100% de aproveitamento, 11 gols marcados e nenhum sofrido nos cinco jogos da Copa Libertadores, contando a fase de classificação, é o favorito contra o Gimnasia y Esgrima, hoje às 19h, em La Plata na Argentina

Com uma vitória, o time de Vanderlei Luxemburgo somará 12 pontos e não apenas ficará muito perto da classificação às oitavas-de-final como também pode levar vantagem nas próximas etapas se conseguir ser um dos melhores desta fase. Nos dois últimos treinos, o técnico insistiu no ensaio de cobranças de escanteios e de faltas próximas à área adversária, e na saída rápida da bola da defesa para o ataque.

Com a ausência de Maldonado, que já se apresentou à Seleção do Chile para o amistoso de sábado contra o Brasil, na Suécia, Luxemburgo vai armar o time com três zagueiros – Leonardo atuará ao lado de Adailton e Antonio Carlos – e Zé Roberto voltará a jogar em sua antiga posição, como segundo volante.

"Para mim, é indiferente. Estou gostando de jogar mais adiantado porque fico com mais liberdade e tenho mais chance de fazer gol. Mas também me sinto bem como volante ou na ponta-esquerda", disse o camisa 10 santista, que prevê um jogo difícil.

"No jogo da Vila Belmiro (o Santos ganhou por 3 a 0), eles marcaram forte, exploraram bem os contra-ataques e só não complicaram porque erraram no último passe.

Luxemburgo assistiu ao último jogo do Gimnasia (foi derrotado por 5 a 1 pelo Boca Juniors), mas não se ilude. "Vai ser complicado porque esse será o jogo da sobrevivência deles na Libertadores. Como estão com três pontos, ganhando do Santos vão a seis e ainda terão possibilidades de classificação. Jogando em casa, o Gimnasia deve forçar jogadas em velocidade em cima da nossa zaga", disse Luxemburgo.

Para o técnico, as características do campo do estádio são favoráveis ao estilo de jogo do seu time. "O gramado fica afastado da torcida e é grande. Com os jogadores velozes que temos, o contra-ataque pode ser uma arma.

"Se não tomarmos gol, ficaremos muito perto da vitória porque o nosso time tem um forte potencial ofensivo e cria muitas oportunidades", disse Luxemburgo, que vai formar um bloco compacto de cinco marcadores – Adailton, Leonardo, Antonio Carlos, Rodrigo Souto e Zé Roberto – para evitar que os dois atacantes avançados do adversário tenham sucesso.

O clima da Libertadores contagia alguns jogadores santistas. O mais empolgado com a competição é o veterano zagueiro Antonio Carlos. "Esse para mim é o verdadeiro futebol. Disputado, com forte marcação e aplicação durante os 90 minutos. São partidas assim que o torcedor gosta de ver", afirma numa clara referência à maneira diferenciada de os juízes atuarem, não parando as jogada por causa de trombadas de jogadores ou de simulações.

O jogo deverá ser realmente muito duro. Gimnasia La Plata está em crise, depois de duas derrotas seguidas, e mudará oito jogadores para enfrentar o Santos. Na partida da Vila Belmiro, o clube resolveu poupar seus titulares para enfrentar o Boca Juniors e acabou perdendo os dois jogos, em Santos por 3 a 0 e em Buenos Aires por 5 a 1.

Depois disso, o técnico do Gimnasia, Pedro Troglio, resolveu mudar completamente a equipe e vai apostar em jogadores ofensivos, como o atacante Santiago Silva, no lugar do meia Sergio Leal. O atacante, conhecido como "El Tanque", teve uma passagem rápida e apagada pelo Corinthians, em 2002.

"Só nos interessa vencer a partida, mas devemos manter a tranqüilidade", disse Troglio, que recebeu apoio da diretoria do clube após a derrota para o Boca Juniors, apesar dos boatos sobre sua demissão. O presidente Juan José Muñoz disse que "a prestação de contas será feira ao final do contrato do treinador (em 30 de junho) e não agora".

O Gimnasia não conseguiu liberar seu estádio, o Juan Carlos Zerillo, sem fazer as reformas necessárias, e por isso a partida será disputada no Estádio Ciudad de La Plata, uma moderna arena inaugurada em 2003.