São Paulo, 11 (AE) – A saudade do artilheiro Luís Fabiano, hoie no Porto, de Portugal, foi o principal sentimento dos torcedores do São Paulo após o empate por 0 a 0 com o Cruzeiro, neste sábado, no Pacaembu. Na armação defensiva, o time do técnico Emerson Leão foi quase perfeito e praticamente não foi ameaçado pelo adversário. Mas as já conhecidas deficiências dos atacantes comprometeram muito a atuação da equipe, que foi a 49 pontos e ocupa o 5º lugar no Campeonato Brasileiro, mas pode perder várias posições após os jogos deste domingo. Os mineiros, que foram a 42 pontos, festejaram a boa passagem por São Paulo ? haviam derrotado o Palmeiras por 3 a 1, terça-feira, no Palestra Itália.

No primeiro tempo, o maior mérito do São Paulo foi ter tomado a iniciativa do jogo. Através de Cicinho e Danilo, a equipe criou boas jogadas de aproximação, mas desperdiçou todas as chances de gols ? como aos 6 minutos, quando o meia ganhou da defesa, na raça, mas Grafite bateu torto, pela linha de fundo. O atacante voltou a perder boa oportunidade aos 18, quando invadiu a área pela direita, mas chutou em cima do goleiro.

No entanto, foi Danilo quem teve a melhor chance para abrir o placar, quando, livre de marcação, cabeceou mal um cruzamento de Jean, pela esquerda.

A opção de Emerson Leão por utilizar três zagueiros mostrou-se acertada, especialmente porque o Cruzeiro não teve tanta liberdade para atacar. O argentino Sorín, bem marcado, não fez a estréia que a torcida mineira esperava. A única chance perigosa dos visitantes veio aos 44, quando Fernando Diniz recebeu na área, mas bateu para fora, à direita de Rogério.

O São Paulo não perdeu o ritmo na etapa final. Logo aos 4 minutos, Jean fez boa jogada com Rodrigo, pela esquerda, e bateu forte, mas Artur espalmou para escanteio. Aos 12, num rápido contra-ataque, Gabriel recebeu de Grafite, mas tocou em cima do goleiro.

A pressão inicial dos paulistas diminuiu quando o Cruzeiro acertou a marcação e também passou a preocupar a defesa adversária, após as entradas dos perigosos Márcio e Sandro.

A falta de uma referência ? e, sobretudo, competência ? no ataque do São Paulo ficou clara, especialmente quando Jean se atrapalhou com a bola várias vezes, ou nos lances em que Tardelli ? que substituiu o inoperante Grafite ?, apesar de se esforçar, não mostrou habilidade suficiente para vencer a defesa do Cruzeiro. Os torcedores perderam a paciência nos minutos finais de cobraram reforços da diretoria. Resta saber se Nildo, Ramalho e Júnior, que chegam esta semana ao clube, serão capazes de melhorar o nível técnico do time.

Ficha Técnica:

São Paulo ? Rogério Ceni; Fabão, Lugano e Rodrigo; Cicinho (Gabriel), Alê, César Sampaio, Danilo e Fábio Santos (Souza); Jean e Grafite (Diego Tardelli). Técnico ? Emerson Leão.

Cruzeiro ? Artur; Alessandro, Gladstone, Marcelo Batatais e Leandro (Wendel); Maldonado, Sorín, Fernando Diniz (Márcio) e Martinez; Fred (Sandro) e Jussiê. Técnico ? Marco Aurélio Moreira.

Juiz ? Edílson Soares da Silva (RJ).

Cartão amarelo ? Fernando Diniz, Danilo, Lugano, Martinez, Gabriel, Gladstone, Artur, Jean.

Renda ? R$ 173.718,00.

Público ? 13.074 pagantes.

Local ? Pacaembu (São Paulo).