O candidato do PT à Presidência, Luiz Inácio Lula da Silva, e o senador José Sarney (PMDB-AP), acertaram um encontro para a próxima semana, em local ainda a ser definido, para formalizar o apoio do ex-presidente à candidatura petista. Lula e Sarney conversaram hoje, por telefone, rapidamente, momentos antes de o candidato se reunir com o presidente Fernando Henrique Cardoso no Palácio do Planalto, em Brasília.

O apoio de Sarney a Lula foi negociado pelo presidente nacional do PT, deputado José Dirceu (SP). ?Comecei os contatos com o senador Sarney há alguns dias. O próximo passo agora será o encontro dos dois?, disse Dirceu.  Na semana passada, durante comício em Belo Horizonte, Lula lembrou que é o único candidato a ter apoio de dois dos três ex-presidentes da República vivos. O outro é Itamar Franco. Fernando Collor de Mello, o terceiro ex-presidente, apóia Ciro Gomes, do PPS.

Para Lula, ter o apoio de Sarney pode representar mais votos, principalmente no Maranhão, além de ganhar a confiança da parcela do eleitorado que ainda guarda a lembrança do Plano Cruzado, que popularizou o então presidente em 1986 e permitiu que ele elegesse 25 dos 26 governadores e levasse o PMDB a ter uma vitória esmagadora na eleição para a Assembléia Nacional Constituinte.

A família Sarney, no entanto, adotou a estratégia de se dividir, aproximando um representante de cada um dos principais candidatos presidenciais. A ex-governadora Roseana Sarney apóia Ciro Gomes. Sarney optou por Lula e o deputado e ex-ministro José Sarney Filho (PFL-MA) ajuda na campanha do tucano José Serra.

Roseana já disse que dá apoio a Ciro mais por insistência do presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), do que por convicção. Ela considera-se em débito com Bornhausen, que levou o PFL a romper com o governo, em fevereiro, em solidariedade à ex-governadora.