A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento está investindo em um projeto de repovoamento dos rios e do litoral paranaense. A previsão é de que, até 2006, a produção de alevinos seja superior a 15,9 milhões. É um projeto em parceria com a Secretaria de Ciência e Tecnologia, a Universidade Bandeirantes e a Universidade Estadual de Londrina (UEL). Serão investidos R$ 4,12 milhões, e a previsão é de um aumento aproximado de 20% na produtividade pesqueira.

“Nosso objetivo é reforçar o estoque de peixes nativos dos rios e melhorar a qualidade do ambiente aquático. Através da utilização de espécies, podemos trazer retorno econômico para o pescador profissional”, explica o vice-governador e secretário da Agricultura, Orlando Pessuti.

O programa de repovoamento vai começar com a colocação de alevinos juvenis nos rios do norte do Paraná, que compõem a bacia do Paranapanema, chegando depois ao Ivaí, Iguaçu e outros grandes rios que cortam o Estado. O alevino juvenil pesa entre 10 e 20 gramas, chegando a um quilo na idade adulta. “A viabilidade é maior na reprodução artificial, pois a taxa de depredação dos ovos de alevinos em seu habitat natural é muito grande”, afirma o coordenador do programa, Carlos Roberto Moreira.

Além da recuperação dos rios, o projeto se estende até o litoral, onde é desenvolvido com o apoio técnico da Emater. De Guaraqueçaba até Guaratuba estão sendo implantados criadouros artificiais de ostras e mariscos, incluindo ainda apoio à pesca artesanal. “Queremos melhorar a qualidade de vida de quem vive da pesca”, salienta o veterinário da Emater, Luiz Danilo Muehlmann, responsável pelo programa nas baías do litoral.

A meta da Secretaria da Agricultura é proporcionar retorno econômico para o pescador profissional, além de promover lazer para o pescador amador. “Os recursos serão repassados de acordo com a capacidade de produção dos pescadores, disponibilidade de fazer anotações específicas e receber nossos técnicos”, enfatiza Luiz Danilo.