Belo Horizonte (AE) – Em uma rápida e concorrida audiência na 6ª Vara Criminal do Fórum Lafayette, em Belo Horizonte, a secretária da presidência da SMP&B Comunicação, Adriana Fantini Boato, sustentou hoje (1) que a ex-secretária de Marcos Valério Fernandes de Souza, Fernanda Karina Somaggio, tentou extorquir o ex-patrão. Karina voltou a negar a acusação. A expectativa maior, porém, era pela presença no Fórum do próprio Marcos Valério e da diretora financeira da agência de publicidade, Simone Reis de Vasconcelos. No horário marcado para a audiência, porém, os dois já estavam em Brasília.

O advogado Paulo Sérgio de Abreu e Silva apresentou ao juiz José Dalai Rocha uma intimação da Polícia Federal (PF) para justificar a ausência de Simone, que havia sido intimada a participar da audiência. Marcos Valério, que figura como vítima no processo, não foi intimado e não precisava comparecer.

O empresário – apontado como o operador do suposto do "mensalão" no Congresso – acusa a sua ex-secretária de tentar extorqui-lo para não revelar à imprensa informações sobre os seus negócios e seus relacionamentos com políticos e pessoas influentes.

Interrogada pelo juiz, Adriana (arrolada como testemunha de acusação) reafirmou que mantinha conversas por telefone com Karina, que havia sido demitida em janeiro de 2004, oito meses após ser contratada. A ex-secretária reclamava da falta de dinheiro e da dificuldade de arrumar um novo emprego. "Na última vez, ela informou que um jornalista a estava procurando atrás de informações sobre a empresa", afirmou Adriana. Ela disse que relatou o diálogo a Simone e Marcos Valério, que se "assustou" com a informação e "resolveu tomar as precauções devidas".

O advogado de defesa, Roosevelt Pimenta – irmão de Rui Pimenta – solicitou que a testemunha de acusação desse detalhes da agenda de Karina, na qual ela relacionou encontros do ex-patrão com diversos políticos. Na acusação, Marcos Valério diz que o documento foi subtraído da empresa. A ex-secretária afirma que a agenda era pessoal.

Ao deixar a audiência, em meio a um grande tumulto, Adriana não quis dar entrevista. Diante da insistência dos jornalistas, disse apenas que para ela está claro que Karina pretendia extorquir o sócio da SMP&B. "Eu nunca pedi dinheiro para ninguém. Eu não faço insinuações, eu falo direto", rebateu Karina. A defesa da ex-secretária já informou que deverá entrar nesta semana com um habeas- orpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ) solicitando o trancamento da ação.