O secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT, deputado José Pimentel (CE), disse nesta segunda-feira, em São Paulo, que cabe ao Poder Judiciário esclarecer as dúvidas que pesam sobre a legalidade das dívidas do partido.

Numa referência à ameaça feita pelo empresário Marcos Valério Fernandes de Souza de entrar na Justiça contra a legenda para cobrar os empréstimos feitos pelo ex-secretário Delúbio Soares, Pimentel voltou a afirmar que a sigla honrará todos os compromissos legais, mas que não assumirá nenhum tipo de débito referente a operações feitas pelo ex-secretário sem que houvesse uma aprovação da diretoria da agremiação.

"O papel do Poder Judiciário é exatamente esclarecer as dúvidas porventura existentes", afirmou o secretário nacional de Finanças e Planejamento do PT, ao chegar à sede do diretório nacional do partido.

Sobre se Valério teria como reunir elementos suficientes para comprovar a existência dos débitos, Pimentel retrucou: "Esta é uma pergunta que deve ser feita a ele e não a mim. O nosso papel no partido foi identificar tudo o que foi legalmente contraído e autorizado pelas instâncias partidárias."

Ele disse ainda que, mesmo que o empresário, dê continuidade a uma eventual contestação no Judiciário, a legenda não tem motivos para preocupação. "O Partido dos Trabalhadores não tem o que negar. Aliás, é o único partido no Brasil que autorizou a quebra de seu sigilo bancário", acrescentou.