O Colégio Nacional de Secretários da Segurança Pública vai pedir ao Governo Federal que use tropas do Exército em parceria com as polícias estaduais e Federal para reforçar a fiscalização nas fronteiras de todo o país. O anúncio foi feito no fim da manhã desta sexta-feira (19), durante a 18.ª reunião do Consesp, realizada, em Curitiba, e que seguiu até o fim da tarde.

?A fragilidade das fronteiras transforma o Brasil em uma avenida de entrada e passagem para o tráfico de drogas e de armas. Temos que combater isso imediatamente?, disse o secretário da Segurança Pública do Paraná, Luiz Fernando Delazari, eleito, hoje, por aclamação, para que presida o Consesp por mais um ano.

Ao todo, 13 secretários participam da reunião. Entre eles, estão secretário-adjunto da Defesa Social de Minas Gerais, Flávio Sapori, que acha essencial o reforço no policiamento da fronteira para que se possa combater o crime organizado. ?Este é um tema prioritário no Consesp para este ano. Vamos insistir com o governo federal para que isso seja colocado em prática o mais rápido possível?, disse.

Segundo ele, a proposta técnica preliminar já foi elaborada pelos secretários da Segurança do Paraná, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. ?Revelaremos os detalhes em breve mas quero esclarecer que a entrada das forças armadas seria gradativa?, disse Delazari.

O secretário de Roraima, coronel César Augusto Rosa, defende a proposta, já que admite não ter como fiscalizar sua fronteira. ?O policiamento hoje na minha área de fronteira é virtual. Tenho uma extensão muito grande e não tenho como fazer o policiamento. Precisamos da parceria do exército?, disse. O estado de Roraima faz fronteira ao Norte e Noroeste com a Venezuela e ao Leste com a Guiana.

Os secretários ainda devem definir quando entregarão a proposta técnica para o Governo Federal.