De acordo com boletim divulgado, por volta das 14h, pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), com levantamento feito nos quatro aeroportos mais prejudicados com a pane – Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba e Congonhas – dos 196 vôos realizados 32% dos vôos sofreram atrasos superiores a uma hora e 5,6% foram cancelados. Depois do aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, o mais prejudicado foi Florianópolis, onde dos 21 vôos previstos para ontem, 12 deles sofreram atrasos, correspondendo a 57%. Em Curitiba, dos 53 vôos marcados, 16 atrasaram (30%) e quatro foram cancelados (7,5%). Os dados foram apurados entre às 18h de ontem, quando houve a pane nos equipamentos de comunicações do Cindacta 2, e às 10h30 da manhã deste sábado.

Outro aeroporto prejudicado com a pane do sistema de rádio-freqüência foi o de Congonhas, em São Paulo. Ali, segundo levantamento da Anac feito entre às 6h e às 11h, neste sábado, dos 90 vôos previstos, nove atrasaram, 10%, e seis foram cancelados. A suspensão de vôos gerenciados pelo Cindacta de Curitiba provocou atrasos de vôos também em Brasília, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, embora a Anac não tenha informado como a pane repercutiu em outros aeroportos do país

As operações nos aeroportos monitorados pelo Cindacta 2, todos no sul do país, foram suspensas ontem por duas vezes. A primeira às 14h, por 25 minutos. A segunda vez, mais grave, às 18h, quando as comunicações da central tráfego foram interrompidas com as aeronaves, demorando duas horas para elas serem restabelecidas. A partir daí, os atrasos foram sucessivos durante toda a noite, o que teve reflexos no Cindacta 1, de Brasília, que controla 80% dos vôos do país.