Uma pista para entender por que o presidente Lula insiste em se auto-intitular "pai dos pobres" está num número da pesquisa Ibope feita para a TV Globo, divulgada ontem, que mede a aprovação a seu governo: 73% dos eleitores que ganham até 1 salário mínimo aprovam o governo Lula (e 22% desaprovam); o índice vai diminuindo à medida que a escala social sobe, até que entre os eleitores que ganham mais de 10 salários mínimos, apenas 37% aprovam o governo do petista (e 51% desaprovam).

Escolaridade – Um exame na segmentação da pesquisa para as faixas de escolaridade mostra situação parecida: entre os que têm até a 4ª série do ensino fundamental, 69% aprovam o governo e 25% desaprovam. Mas entre aqueles que têm ensino superior, os números se invertem – 58% desaprovam o governo Lula e apenas 36% o aprovam.

Uma novidade do Ibope – pedir aos entrevistados que declarem sua raça – mostrou a repetição de situações anteriores. Os que se declaram de raça branca estão divididos: 47% aprovam o governo e 46% desaprovam. Entre os que se declaram de raça negra, a diferença cresce muito: 60% aprovam o governo e 34% o desaprovam. O número mais gritante, no entanto, está entre os que se declaram pardos ou "morenos" – 64% aprovam e apenas 31% desaprovam.

Ou seja, a pesquisa mostra que entre os mais pobres, menos escolarizados e de raça não-branca cresceu a aprovação ao governo Lula; entre os de renda mais alta, mais escolarizados e brancos, ao contrário, aumentou a desaprovação.