O cenário externo é favorável ao Brasil neste ano, avaliou hoje (3) o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, em palestra na Câmara de Comércio Americana do Rio de Janeiro. Ele destacou a queda de 35,9% para 14,8% na medida de dívida externa líquida sobre o Produto Interno Bruto (PIB) como o dado que mais chama a atenção nos fóruns internacionais.

Meirelles informou que "de novo nos aproximamos de um momento em que as reservas brasileiras serão, praticamente, 50% da dívida total". E lembrou que houve um aumento de US$ 38 bilhões em pouco mais de dois anos: "As reservas, portanto, atingiram US$ 53,8 bilhões já no final de 2005 e continuam a crescer".

Já a dívida externa, segundo Meirelles, caiu em US$ 80,3 bilhões de 2000 até setembro de 2005. E o Brasil "soube fazer o seu dever de casa, deixando de gerar déficits importantes no saldo de conta corrente e passando a ter superávits em momentos de crescimento da economia, o que é um dado importante de mudança".

Meirelles enfatizou, ainda, que todos os medidores da resistência do país a choques estão aumentando e, portanto, a vulnerabilidade do país está diminuindo. "Na medida em que exista maior possibilidade de planejamento, a previsibilidade é maior, o que faz com que tomadores e aplicadores tenham maior confiança para fazer as suas operações", afirmou.