Segundo as investigações da morte de Tatiane Spitzner, que culminaram com a denúncia oferecida pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) contra o biólogo e professor Luis Felipe Manvailer, a advogada vivia uma história de terror em sua própria casa.

No texto, além de implicar o marido nos crimes de homicídio qualificado, cárcere privado e fraude processual, os promotores pediram que a prisão preventiva dele seja mantida – ele está detido na Penitenciária Industrial de Guarapuava – e acusam Manvailer de violência moral, patrimonial e psicológica.

Além dos relatos da violência no dia da morte, como mostram os vídeos, os promotores indicam que Manvailer teria cometido todo tipo de violência contra a esposa. Desde usar ‘apelidos depreciativos‘ como forma de tratamento, Tatiane era coagida a realizar todas as tarefas domésticas, não podia usar seu próprio dinheiro, chegou a ter roupas rasgadas – as compradas à revelia do homem e que não o agradavam – e foi ameaçada verbalmente em diversas situações. Em um episódio, ele teria dito que tinha ‘ódio mortal’ e ‘nojo‘ da advogada.

Leia mais: “Ela jamais se jogaria daquele prédio”, diz tio de Tatiane após divulgação de imagens

Tais indícios levaram ao pedido do MP da manutenção da prisão de Manvailer, já que ele teria cometido um crime de maneira violenta e cruel além de manipular o local do crime e tentar fugir para o Paraguai.

A defesa de Manveiler se pronunciou sobre a denúncia, reiterando que aguarda resultados dos laudos e da perícia. Segundo os defensores, todos os comentários sobre o caso são baseados em especulação.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Após desistência de Francischini, Yared entra na briga para concorrer ao Senado