Uma advogada criminalista identificada como Angelina Silva Guerreiro Rodrigues, 42 anos, foi morta na manhã desta segunda-feira (22), dentro do apartamento onde morava com Nilson Aparecido Rodrigues, 46 anos, no bairro Capão Raso, em Curitiba, na Rua Dante Luiz Júnior. De acordo com informações da Polícia Militar, o crime teria sido cometido pelo próprio marido da vítima, o que caracterizaria o crime como um feminicídio.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O corpo foi encontrado por vizinhos, por volta das 11h, depois da suspeita de que uma briga entre o casal teria terminado mal. Há relatos de que marido e esposa teriam discutido, gritado bastante e, logo após isso, o homem teria saído do apartamento de forma suspeita. O crime teria sido cometido a golpes de faca e, no início da tarde, a polícia ainda fazia buscas pela região para encontrar Nilson, o principal suspeito.

A PM recebeu o chamado para a ocorrência pelo telefone 190, por volta das 11h. Os policiais precisaram arrombar a porta do apartamento para conseguir entrar no local do crime. Angelina foi encontrada no chão do quarto. Não havia mais ninguém em casa. “A porta da residência estava trancada. Quando entramos, não havia ninguém. O corpo estava no quarto e o Siate foi acionado para prestar atendimento. Infelizmente, o óbito foi constatado”, informou o aspirante Johny Youngblood, do 13.° Batalhão da PM. Imagens de câmera de segurança mostram o momento em que Nilson saiu do apartamento após o crime. Assista:

Ainda segundo Youngblood, o local foi preservado e a perícia tem vários elementos para analisar, antes de se poder afirmar como o crime de fato ocorreu. “Não podemos afirmar se o suspeito dormiu em casa ou se chegou pela manhã, antes do crime ocorrer. O que se apurou, até o momento, é que foram, pelo menos, três ferimentos com arma branca, na região do tórax”, disse. Conforme a PM, a arma do crime foi localizada no local, uma faca caseira. A Delegacia da Mulher foi acionada para investigar o caso.

Principal suspeito do crime, Nilson Rodrigues tem passagens pela polícia, mas a PM não revelou quais crimes ele já teria cometido para não comprometer a investigação. O suspeito ainda está sendo procurado. No início da tarde desta segunda-feira, o carro usado por ele para fugir, um Pegeout preto, foi localizado estacionado na Cidade Industrial (CIC), na Rua Arthur Martins Franco, na altura do número 2119. Moradores da vizinhança disseram que um homem desceu do carro e teria conversado com outro, antes de subir a rua. Ninguém desconfiou de nada. O carro será encaminhado para a perícia.

+Leia também: Motorista de app é morto com requintes de crueldade. Menores confessaram o crime!

Relacionamento conturbado

Crime aconteceu na residência do casal, no Capão Raso. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná
Crime aconteceu na residência do casal, no Capão Raso. Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná

Uma vizinha da advogada relatou que as brigas eram constantes entre o casal. No apartamento, moravam ela, o marido e um filho de 19 anos, que não estaria em casa nesta segunda por motivo de viagem. “Parecia uma tragédia anunciada. Eles brigavam muito, discutiam, mas ela não deixava a gente se meter. Quando as brigas passavam, eles andavam de mãos dadas pelo condomínio, então ninguém se meti a mesmo. Só que era visível que algo assim um dia acontecesse”, disse uma vizinha que mantinha relação de amizade com a vítima.

O corpo de Angelina foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML). Até às 14h30, o filho do casal ainda não tinha retornado para casa. Não havia informações se ele já teria conhecimento da morte da mãe.

OAB lamenta morte

Em nota oficial, a seccional paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PR) lamentou a morte de Angelina. “A Ordem lamenta profundamente mais este triste caso de feminicídio e manifesta solidariedade à família, aos amigos e colegas de Angelina”, disse o órgão.

Na nota, a OAB-PR ainda informa que “a diretoria da seccional designou as presidentes das duas comissões, respectivamente as advogadas Helena de Souza Rocha e Mariana Lopes da Silva Bonfim, para acompanhar as investigações”. O caso também é acompanhado pela Diretoria de Prerrogativas e pela Comissão de Defesa das Prerrogativas da seccional.

PM muda estratégia e adota módulos móveis em Curitiba. Funciona?