Com a prisão de Ricardo Damasceno Figueiredo, 40 anos, suspeito de estuprar uma adolescente de 15 anos que ele teria aliciado pelas redes sociais, a Polícia Civil quer alertar aos pais. Segundo a delegada Mônica Meister, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria), é importante que os adultos se mantenham firmes no contato com seus filhos e expliquem a gravidade do que pode acontecer através das redes sociais e da internet de modo geral.

Ricardo tinha um perfil falso para abordar as vítimas. Foto: Reprodução/Polícia Civil.
Ricardo tinha um perfil falso para abordar as vítimas. Foto: Reprodução/Polícia Civil.

No caso da adolescente, o homem começou a conversar com ela oferecendo uma vaga de emprego em novelas numa emissora de TV. Usando perfil falso no Facebook e se passando por mulher, o homem chegou com a promessa de um salário alto e de algo que muitos adolescentes sonham: fama.

A menina começou a conversar com ele e, por não desconfiar, pois acreditava ser uma mulher, fez tudo o que ele pediu. “Primeiro ele pediu uma foto de calcinha e sutiã, a menina mandou. Depois ele pediu fotos dela nua e disse que ela tinha sido aprovada, mas que para isso teria que se encontrar com ele e que, caso não se encontrasse, divulgaria as fotos que ela tinha mandado”, contou a delegada.

Com medo da possível divulgação das fotos, a menina foi ao encontro do que acreditava ser uma agenciadora. “Ele foi até dizendo por onde ela deveria passar, como se soubesse onde ela estava. Ao chegar, ele estava armado, a obrigou a tirar a roupa e manteve relação sexual mediante a ameaça com a arma de fogo”.

Ao fim do abuso, o homem deixou que a adolescente fosse embora e disse que devolveria as fotos. “Ela contou aos avós, que juntos procuraram a delegacia e conseguimos prendê-lo em flagrante. Inclusive chegamos no momento em que ele fechava a porta da casa para fugir”. Junto com ele, os policiais apreenderam uma agenda com vários contatos, que podem ser de adolescentes, e também um notebook. A arma que ele teria usado no crime não foi encontrada. O computador deve passar por perícia.

Segundo a Polícia, Ricardo obrigou a jovem a tirar a roupa e manteve relação sexual mediante a ameaça com a arma de fogo. Foto: Gerson Klaina.
Segundo a Polícia, Ricardo obrigou a jovem a tirar a roupa e manteve relação sexual mediante a ameaça com a arma de fogo. Foto: Gerson Klaina.

Alerta importante

Ricardo, conforme o que apuraram os policiais do Nucria, tinha agido da mesma forma no Rio de Janeiro, mais especificamente na cidade de São Gonçalo, que fica na Região Metropolitana do Rio. “Nessa cidade, ele atuava com pelo menos 16 nomes falsos e fez várias vítimas. Esteve preso, mas saiu através de um alvará de soltura e se mudou para Curitiba”, detalhou a delegada.

Segundo a polícia, além da adolescente, podem haver outras vítimas e por isso o caso foi divulgado. “Acreditamos que nesse tempo em que esteve em Curitiba ele continuou a agir e, por isso, existam sim outras vítimas. Por isso pedimos que os pais conversem com seus filhos e, caso saibam do que aconteceu, procurem o Nucria”.

A delegada destacou que é importante que os pais sempre tomem muito cuidado com os adolescentes. “Eles precisam de orientação. Embora sejam difíceis em algumas situações, se houver conversa, os pais conseguem auxiliar. Verifique sempre o que estão fazendo quando se trancam no quarto com o celular, com o computador. Às vezes o adolescente não conta por medo de represália dos próprios pais, mas eles precisam saber que podem contar com os pais”. O Nucria fica na Avenida Vicente Machado, 2560, no Centro de Curitiba. O telefone da delegacia é o (41) 3270-3370.

Ricardo Damasceno Figueiredo, 40, foi autuado em flagrante por policiais do Nucria. Foto: Polícia Civil/RJ.
Ricardo Damasceno Figueiredo, 40, foi autuado em flagrante por policiais do Nucria. Foto: Polícia Civil/RJ.

https://tribunapr.uol.com.br/noticias/seguranca/homem-fingia-ser-agenciador-de-modelos-para-estuprar-criancas/