Os apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que estão acampados na Rua Padre João Wislinski, no Santa Cândida, foram alvo de um ataque a tiros na madrugada deste sábado (28). Todos estavam no acampamento quando suspeitos armados começaram a atirar. Um homem ficou ferido no pescoço e uma mulher se feriu por estilhaços.

A Polícia Militar (PM) confirmou à Tribuna do Paraná que o ataque aconteceu no meio da madrugada. Segundo a PM, uma ligação feita informava que pelo menos uma pessoa armada teria se aproximado do local, cerca de 40 metros, e começado a disparar. Um homem foi ferido pelos tiros e socorrido pelos populares, que o levaram à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Boa Vista e de lá foi encaminhado ao Hospital do Trabalhador (HT).

A ação aconteceu na madrugada e ninguém sabe o que motivou. Foto: Divulgação/Neudicleia de Oliveira/ Brasil de Fato.
A ação aconteceu na madrugada e ninguém sabe o que motivou. Foto: Divulgação/Neudicleia de Oliveira/ Brasil de Fato.

No relato das pessoas que estavam no acampamento no momento do ataque, a informação é a de que a ação aconteceu por volta das 4h. O ferido, identificado como Jeferson Lima de Menezes, é do estado de São Paulo e ficou em estado grave.

A autoria do ataque ainda não foi identificada, mas segundo o que disseram os integrantes do acampamento, havia movimentação de pessoas passando em frente ao local e gritando palavras de ordem a Jair Bolsonaro, candidato à presidência do Brasil. A PM fez buscas pela região, mas não encontrou nenhum suspeito.

Além de Jeferson, que está internado, entubado e instável no HT, uma mulher que estava no banheiro no momento do tiroteio também se machucou. Os tiros perfuraram três banheiros e ela não foi atingida pela bala, mas sim por estilhaços provocados pelos disparos. Segundo o pessoal do acampamento, o estado de saúde dessa vítima não é grave.

Gravação

Um vídeo ao vivo, feito através da página Nova Militância Brasil, no facebook, mostra o exato momento em que os disparos começaram. As imagens começaram a ser filmadas por volta das 4h, o que vai ao encontro com o que foi dito pelos ocupantes do acampamento, e mostram um rapaz avisando que o local estava sendo alvo de um ataque, enquanto do lado de fora era possível se ouvir os disparos.

No vídeo, além dos estampidos que parecem ser tiros, logo no começo, também é possível ouvir barulho de estouro de fogos de artifício. Os representantes da comunicação do acampamento explicaram que os fogos são estourados como forma de alertar os manifestantes que estão em risco e que devem se abrigar. Veja:

Protesto e revolta

Foto: Divulgação/Neudicleia de Oliveira/ Brasil de Fato.
Foto: Divulgação/Neudicleia de Oliveira/ Brasil de Fato.

O ataque a tiros fez com que os manifestantes fechassem a Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, no Atuba, próximo ao acampamento, no começo da manhã deste sábado. Em nota, os representantes da vigília Lula Livre repudiaram o que aconteceu e disseram que o fato de não ter havido vítimas fatais não diminui a gravidade da tentativa de homicídio  que aconteceu.

Para os integrantes do movimento, “a ação foi motivada pelo ódio e provocação de quem não aceita que a vigília é pacífica, alcança três semanas e vai receber um Primeiro de Maio com presença massiva em Curitiba. Não nos intimidarão”. Eles também alegam que o atentado foi algo anunciado, pois desde que mudaram para o local já tinham sido atacados.

“Desde aquele momento (quando se mudaram), a coordenação da vigília já exigia policiamento e apoio de viaturas, como foi inclusive sinalizado nos acordos para mudança no local do acampamento”, consideraram os manifestantes. Apesar do que aconteceu, eles afirmaram que vão continuar com as atividades.

 

Apesar do ataque, manifestantes não vão sair do Santa Cândida. Foto: Divulgação/Neudicleia de Oliveira/ Brasil de Fato.
Apesar do ataque, manifestantes não vão sair do Santa Cândida. Foto: Divulgação/Neudicleia de Oliveira/ Brasil de Fato.

Segurança Pública

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública do Paraná (SESP) confirma o ataque ao acampamento na madrugada deste sábado e afirma que os tiros foram efetuados por um indivíduo que chegou ao local a pé. Segundo o comunicado, peritos da Polícia Cientifica, policiais militares e da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, estiveram no local e recolheram cápsulas de pistola 9 mm. Foi aberto um inquérito para apurar o caso.

https://tribunapr.uol.com.br/noticias/curitiba-regiao/ataque-a-acampamento-de-apoiadores-de-lula-preocupa-autoridades-assista/