A Justiça do Paraná deu um prazo de 24 horas para que o ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho se apresente na Vara de Execuções Penais de Guarapuava, região central do Paraná. A decisão, disparada em caráter liminar, é desta segunda-feira (27) e Carli Filho deve ficar custodiado na Vara de Execuções Penais até a implantação do regime semiaberto, conforme já determinado.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O ex-deputado estadual foi condenado a sete anos, quatro meses e 20 dias de prisão. Na última sexta-feira (24), a Justiça determinou que fosse executada, imediatamente, o cumprimento da pena imposta, ou seja, que Carli Filho fosse preso.

A defesa de Carli Filho, através do advogado Roberto Brzezinski Neto, protocolou um pedido de habeas corpus, alegando “ilegalidade do decreto prisional” sobre a indicação do local onde o ex-deputado deve permanecer custodiado até o início do cumprimento da pena. Segundo o advogado, a medida levaria ao ex-deputado um “notório prejuízo”, porque ele mora e trabalha em Guarapuava e teria o direito de cumprir a pena no local de residência e próximo à família.

+Leia também: Quadrilha dá furo de R$ 125 milhões em manutenção de viaturas no Paraná

A decisão do desembargador Clayton Camargo, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, que deferiu o pedido de liminar, ressaltou que a Lei de Execuções Penais estabelece direitos ao preso, confirmando o pedido do advogado. “Vislumbra-se assim, a ocorrência de evidente constrangimento ilegal do Paciente, hábil a concessão de liminar pois, sendo o mandado omisso quanto ao local de custódia, é certo o prejuízo sofrido pelo sentenciado mediante o seu desnecessário deslocamento até o juízo deprecante”, explicou o desembargador no documento.

Com base nisso, o desembargador suspendeu o mandado de prisão e determinou que a apresentação de Carli Filho ocorra num prazo de 24 horas, perante ao Juízo da Vara de Execuções Penais de Guarapuava. Ele deve ficar preso por lá, até que seja implantado o regime semiaberto que lhe cabe, mas em cela separada por ser portador de diploma de curso superior.

À Tribuna do Paraná, a deputada federal Christiane Yared, mãe de uma das vítimas do acidente provocado pelo ex-deputado estadual, disse esperar que Carli Filho fique preso. “Se ele ficar preso um dia, já valeu”, comentou ela, reforçando que é uma luta que já dura dez anos. “É um momento em que nós agradecemos a Justiça do Paraná, porque indiferente da condição dele, rico ou pobre, milionário, a leitura é essa: se bebeu, dirigiu e matou, você irá preso”, reforçou Christiane, destacando que as famílias esperam que a Justiça se cumpra.

Tem dívidas com a Caixa? Banco oferece condições facilitadas para renegociação