70 presos foram removidos da Central de Flagrantes, no Centro de Curitiba, na tarde desta sexta-feira (6). Eles serão levados às seis novas celas, construídas no 11.° Distrito Policial, na CIC, e que possuem capacidade para 75 pessoas.

Leia mais: Central de Flagrantes é uma ‘bomba relógio’ em Curitiba

O objetivo, conforme o delegado Fábio Machado, é esvaziar todas as delegacias da capital, inclusive a Central de Flagrantes, que tem tido constantes problemas com presos nas últimas semanas, como tumultos, superlotação, doenças e riscos à segurança da região. Ele explica que a Central de Flagrantes foi montada para apenas receber os casos vindos da rua, dar rápido início à confecção do boletim de ocorrência, liberar o mais rápido possível os policiais militares e guardas municipais para voltarem às atividades nas ruas e já encaminhar os presos para o sistema penitenciário. Não é função da Central, explica Machado, manter presos em suas dependências, o que tem ocorrido pela lentidão do Departamento Penitenciário (Depen) em retirá-los de lá.

Mas, com a abertura de 75 vagas nas novas celas no 11.º DP, é para lá que os presos deverão ser levados após irem para a audiência de custódia, o que deve ocorrer em no máximo 48 horas após a prisão. Ou seja, nenhum preso deverá mais permanecer mais de dois dias dentro da Central de Flagrantes. Ainda conforme o delegado, cerca de 10 a 15 presos entram nas delegacias de Curitiba, todos os dias. Se o Departamento Penitenciários (Depen) fizer o recolhimento diário ou semanal, não deverá haver superlotação no 11.º DP.

 

Veja como será a feita a transferência dos presos: 

Presos podem fugir da Central de Flagrantes, temem policiais