Um trabalho de monitoramento dos policiais do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), da Polícia Civil, acabou encontrando uma quadrilha completa que agia em Curitiba e Região Metropolitana. Três pessoas foram presas, nesta quarta-feira (25), com vários objetos roubados e pelo menos um carro que também foi levado de um apartamento. Segundo o delegado Rodrigo Brown, uma das vítimas reconheceu seus pertences, que tinham sido levados do apartamento que mora, no Campo Comprido.

“Nós estávamos de olho num receptador que já tinha sido preso pela gente no ano passado. Descobrimos que estava na região do Xaxim e de novo estaria com objetos furtados. Nossa equipe ficou monitorando até que viu que uma dupla chegou, num Fiat Bravo, e começou a descarregar muitos objetos“, explicou o delegado.

Ao abordarem os suspeitos, os policiais descobriram que os objetos eram furtados. Além disso, Carlos Eduardo Monteiro Lourenço, de 33 anos, apontado como o receptador, que era monitorado, estava com mandado de prisão. Bruno Sydinei Jorge, de 30, e Fernando Carlesse, de 43, os dois que chegaram para descarregar, entregaram documentos de Santa Catarina e levantaram suspeitas. “Descobrimos que eram falsos, para despistar o fato de que os dois tinham diversas passagens pela polícia. Um deles, inclusive, também era foragido”.

b21a02e3-ac94-4b51-8943-953f4fcdba8e

Vítima encontrada

Os objetos todos foram encaminhados ao Cope e, durante uma pesquisa em um computador encontrado, os policiais conseguiram achar uma das vítimas. “Ela veio até a delegacia e reconheceu quase tudo o que tinha sido levado de sua casa, um apartamento novo, no Campo Comprido. Fizeram a limpa”.

Foram apreendidos CPUs, notebooks, videogame, televisões, máquinas de lavar, geladeira, bicicleta, skate, relógios e outros objetos furtados. Além disso, os policiais acharam, dentro do Fiat Bravo, a chave de um Gol. “O carro estava escondido num estacionamento em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Descobrimos que tinha sido levado de outro apartamento que também foi invadido, no dia 16 de abril”, adb1a4b5-af57-4d7e-a63d-e62af54084facontou Rodrigo Brown.

Quadrilha completa

Para o delegado, todos os presos estavam ligados e agiam em conjunto, com divisões de funções assim como numa empresa. “Era uma quadrilha completa, de fato. Conseguimos prender quem furtava e quem revendia os objetos. Agiam em Curitiba e Região Metropolitana e na mesma ação do dia 16 de abril ainda furtaram um Honda Civic, que não encontramos”.

A suspeita dos policiais é a de que o grupo se passava por comprador para poder ter acesso aos apartamentos. “Eles escolhiam prédios sem porteiros e não chegavam a arrombar as portarias, só as portas dos apartamentos. Pode ser que se passavam por compradores interessados nos prédios, já que são novos e têm poucos moradores e faziam a cópia das chaves que dão acesso aos apartamentos”. O delegado pediu que vítimas de furtos em apartamentos procurem o Cope, através do telefone (41) 3217-2900, para ver se não reconhecem os bandidos.

https://tribunapr.uol.com.br/noticias/seguranca/presos-suspeitos-de-terem-tocado-o-terror-em-invasao-cmei-de-curitiba/