Uma mulher, aparentando no máximo 30 anos, foi morta com diversos golpes de faca no pescoço e no peito, na madrugada deste domingo (7), em Curitiba. O corpo dela foi encontrado na Avenida Juscelino Kubistchek de Oliveira, na Vila Sabará, no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC), por volta das 8h desta manhã de geada na capital.

+ Atenção! Você está a um clique de ficar por dentro do que acontece em Curitiba e Região Metropolitana. Tudo sobre nossa regiãofutebolentretenimento horóscopo, além de blogs exclusivos e os Caçadores de Notícias, com histórias emocionantes e grandes reportagens. Vem com a gente!

Conforme investigadores da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), acredita-se que ela tenha sido morta em outro local, pois pela quantidade de golpes que levou, deveria haver muito sangue ali no chão. No entanto, o chão estava “seco”, indicando que ela provavelmente foi assassinada em outro lugar e depois desovada ali pelo assassino. O corpo dela estava jogado próximo de umas caçambas (da empresa de caçambas que fica do outro lado da rua), em cima de um cobertor xadrez.

Nas casas e empresa em frente, ninguém ouviu nada diferente na madrugada, como briga ou gritos. Tampouco os cães das residências latiram, fatos que corroboram com a suspeita dos policiais de que a mulher tenha sido apenas deixada ali pelo assassino.

+Leia também: Toneladas de lixo são retiradas da casa de acumulador compulsivo de Curitiba

Assassino motivado pela raiva

Conforme os policiais civis, pelo tipo de corte que a mulher tinha no pescoço, acredita-se que quem matou não fez nada planejado, e sim foi algo de momento, estava com muita raiva. No entender dos policiais, se fosse um crime planejado, o assassino teria tentado cortar o pescoço da mulher. No entanto, ao invés de um corte, ela tinha vários golpes no pescoço e peito, o que demonstra a raiva momentânea do assassino.

+Leia também: Bate-boca após acidente termina em morte em Curitiba! Autor do crime fugiu

Não identificada

A mulher não portava nenhum documento de identificação consigo. Um morador da Vila Sabará apenas contou aos policiais que ela costumava andar por ali com outro homem e que seria moradora de alguma das invasões ali próximo, a Tiradentes ou Corbélia. No entanto, não sabia sequer o nome dela.

A mulher era alta, magra, um corpo esguio, tinha cabelos pretos, não muito longos. Vestia calça jeans, bota de cano bem longo preta, blusinha de alça preta e jaqueta de nylon preta.

Preso, suspeito de tocar o terror no litoral diz que foi obrigado a participar da ação