Um das principais corretoras de bitcoins (espécie de dinheiro eletrônico) do país, com sede em Curitiba, foi alvo de um golpe cujo prejuízo pode chegar a R$ 50 milhões. As investigações da empresa começaram na semana passada e, nesta sexta-feira (24), o caso foi levado à Delegacia de Estelionato da capital.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

De acordo com a corretora, as primeiras suspeitas surgiram após técnicos terem identificado o súbito enriquecimento de alguns clientes a partir de operações suspeitas de compra e venda de criptomoeda. Pelo que se sabe do esquema até agora, os infratores vinham fazendo saques duplicados, valendo-se de uma vulnerabilidade na plataforma de operações de compra e venda de bitcoins.

Apesar de uma mudança interna por causa do golpe, o Grupo Bitcoin Banco, alvo da fraude, garante que não haverá qualquer prejuízo para os clientes, que foram inclusive isentados de taxas bancárias cobradas em operações que tiveram que ser canceladas no domingo (19).

+ Leia mais: Sargento da PM troca tiros com bandidos após ter carro roubado em Curitiba

Cerca de 30 nomes já foram identificados e apresentados à Delegacia de Estelionato. Conforme o grupo, apenas um dos fraudadores conseguiu sacar R$ 2 milhões ilegalmente, mas o montante total do golpe deve chegar a R$ 50 milhões assim que todos os nomes envolvidos forem identificados.

Lentidão

Após a descoberta, todo o processo dos pagamentos solicitados foi transferido para o modo manual, o que vinha gerando lentidão no atendimento aos clientes desde a última quinta-feira (16).

+Leia também: Homem recebe escolta da GM pra carregar ponto de ônibus nas costas; entenda!

Com a alteração, foi possível monitorar de perto cada pedido feito e, desta forma, identificar os fraudadores. Por outro lado, o ritmo mais lento acabou provocando um acúmulo atípico de solicitações de saques e até mesmo o cancelamento de algumas ordens de venda. Operações que levavam até 24 horas passaram a demorar, em alguns casos, até 96 horas, situação agravada nesta semana com o encerramento abrupto da conta das corretoras pelo banco Brasil Plural.

Por isso, a ação criminosa também atrapalhou a vida dos clientes, que desde então estão tendo que esperar por mais tempo para fazer seus investimentos e saques, tanto em reais quanto em criptomoedas.

Adolescente provoca pânico em escola de Curitiba com falsa ameaça de atentado