O estado de saúde da pequena Laura Souza, 8, vítima do atropelamento por motocicleta no último sábado (07), no bairro Batel, em Curitiba, começa a melhorar. De acordo com uma tia da menina, que conversou por telefone com a Tribuna do Paraná, Laura saiu do coma induzido ao qual foi submetida e conseguiu se comunicar por pequenos sinais com a família.

A assessoria de comunicação do Hospital Pequeno Príncipe confirma a melhora da criança e reitera que ela está de olhos abertos e consciente. Não é possível afirmar, porém, quando a menina vai receber alta, já que ainda existe chance dela ser submetida a novos procedimentos cirúrgicos.

O mesmo se pode dizer em relação à parente de Laura, a enfermeira Adriane Melnik, de 38 anos, que também permanece internada. No Hospital do Trabalhador desde o acidente, a mulher também apresentou melhora significativa – segundo a família – e está reagindo a estímulos.

Sobre a possibilidade da família mover alguma ação judicial contra o motociclista Leonardo de Magalhães Fonseca, 22 – responsável pelo atropelamento, a tia de Laura afirmou que a hipótese não está descartada, porém, que a prioridade dos familiares nesses momento é a saúde das vítimas.

Sem condições

Por meio de nota divulgada pelo advogado Elias Mattar Assad, que representa o motociclista, a família do rapaz afirmou – nesta quarta-feira (11) – que reconhece a gravidade do fato e que tem expectativas no restabelecimento de todos os envolvidos no acidente. Também em nota o advogado reforçou que nem o indiciado nem sua família apresentam condições psicológicas de falar com a imprensa neste momento.

‘Motoqueiro da Batel’ tinha CNH vencida e deve usar tornozeleira