Dono de uma rede com mais de 100 lojas em todo o Brasil, o diretor-presidente da Havan, Luciano Hang, reclamou do grande número de assaltos que as lojas de Curitiba e região metropolitana estão sofrendo. E foi mais além: pediu que o governo do Estado tome providências para atenuar o cenário “preocupante” que se alastra e assusta outras lojas de departamentos e supermercados da região. Segundo o empresário catarinense, as unidades da Havan de Araucária, Curitiba, Colombo e Pinhais registraram, juntas, cinco assaltos em apenas dois meses.

“Estamos presentes em 15 estados brasileiros, com mais de 100 lojas espalhadas pelo país, e nunca vimos nada parecido. A Havan paga todos os impostos e não temos o mínimo de segurança na região”, critica o empresário em nota enviada à imprensa.

Segundo informações da própria Havan, a empresa gera pelo menos 10 mil empregos e contribui anualmente com aproximadamente R$ 1 bilhão em impostos e benefícios.

Junto com a nota foram divulgados vídeos que registram alguns dos roubos nas unidades da Havan na RMC. De acordo com o departamento de segurança da empresa, as imagens mostram que as quadrilhas são normalmente composta por dois ou três integrantes e estão cada vez mais especializadas em roubo de celulares e televisores. “Precisamos coibir este tipo de ação. Algo precisa ser feito urgentemente”, cobra em nota. Segundo Hang, alguns suspeitos já foram identificados e presos.

A Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) se pronunciou sobre a reclamação do empresário. Segundo a pasta, “a Polícia Militar do Paraná realiza constantes rondas ostensivas e preventivas na Região Metropolitana de Curitiba. O trabalho tem sido intensificado após aquisição de novas viaturas e contratação de policiais”.

A modalidade de roubos, segundo a Sesp, teve redução de 25,4% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período do ano passado.