Dois homens foram presos suspeitos de cometerem o crime chamado de ‘cavalo louco‘, no Centro de Curitiba. A ação foi feita pela Polícia Civil, com informações da Guarda Municipal de Curitiba, e a dupla é suspeita de participar de uma quadrilha que já foi presa outras vezes pelo mesmo crime. Segundo a polícia, marginais escolhiam as vítimas e preferiam gente distraída ou pessoas mais idosas, algumas delas até se machucaram nas ações.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Ações da PCPR na capital resultaram na prisão de Rodrigo Trevisan, o “Aranha”, 42 anos, que, segundo as investigações, seria o líder da quadrilha. Na semana passada, Natan Vieira da Paz, também de 42, já tinha sido preso. Além da dupla, outros dois integrantes do bando, Eros marcos Alves, 37, e Noeli Aparecida Alves, 45, foram presos em Laranjeiras do Sul, região Centro-Sul do Estado.

As informações de que a quadrilha continuava agindo, mesmo após várias operações com prisões, foram passadas a partir de um banco que percebeu que várias pessoas que saíam da agência eram furtadas. “A instituição financeira viu o problema, nos passou e nós fizemos um levantamento pelas câmeras. Repassamos a Polícia Civil, que montou a operação”, inspetor José Carlos Felipus Costa, da Guarda Municipal.

+Leia mais! Jovem de 17 anos conta que flagrou Daniel dentro do quarto dos Brittes antes do crime

A partir das informações obtidas pela GM, uma equipe do 1º Distrito Policial (DP) montou uma operação para encontrar os alvos, pois todos já eram até conhecidos da polícia. “Já foram presos mais de uma vez, inclusive recentemente”, disse o delegado Pedro Filipe Andrade.

Conforme o delegado, a ação praticada pelo bando é antiga. “Eles escolhem as vítimas saindo de bancos, um integrante chega por trás, empurra ou dá um soco, a vítima cai no chão e outras pessoas da quadrilha chegam para simular uma ajuda. Nisso, os bandidos vão pegando os pertences sem que a pessoa perceba, ela acredita que estava sendo ajudada, mas na verdade está sendo furtada”, detalhou o delegado.

Na última vez em que o grupo foi preso, a prisão decretada pela Justiça era temporária e, por isso, voltaram a agir. “Dessa vez, foram presos a partir de mandado preventivo, ou seja, vão ficar presos. Esperamos que respondam ao processo detidos”, disse o delegado, explicando que, em alguns casos – nos que houve violência – os responsáveis vão ser indiciados por roubo e não por furto.

Foragidos podem ser denunciados para a polícia através do 181. Foto: Divulgação.
Foragidos podem ser denunciados para a polícia através do 181. Foto: Divulgação.

Muita atenção

Além dos quatro presos, a polícia destacou que ainda existem pelo menos quatro pessoas que são procuradas. Segundo o delegado e também o guarda municipal, a quadrilha tem olheiros, que atuam com a missão de escolher as vítimas. “Esses homens aguardam a oportunidade, procuram pessoas mais frágeis ou distraídas. Na hora de agirem, usam força e pensam bem se vão conseguir com determinada pessoa”, explicou o GM José Carlos Felipus Costa.

Ainda de acordo com o GM, o importante é sempre ter muita atenção ao andar pelas ruas da região central. “Evite usar objetos que atraiam atenção e também procure não sair sozinho para fazer saques em agencias bancarias, por exemplo, prefira ter companhia. Se for sozinho, redobre a atenção”.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Limousines de Curitiba fazem sucesso em festas na cidade